Pequim impõe medidas antidumping ao vinho australiano

A República Popular da China aumentou esta sexta-feira a pressão sobre a Austrália, com a imposição de medidas antidumping sobre as importações de vinho australiano. Trata-se do último episódio numa espiral crescente de tensões diplomáticas entre os dois parceiros comerciais.

O Ministério do Comércio do Executivo de Pequim anunciou, em comunicado, que uma investigação preliminar mostra que a indústria vinícola chinesa sofreu “danos materiais” devido ao dumping do vinho australiano, de forma que, a partir de sábado, as importações serão tributadas entre 107,1 por cento e 212,1 por cento.

O dumping, de que Pequim acusa Canberra, é uma prática que consiste na venda de bens por uma empresa para o exterior a preços inferiores aos que costuma praticar no seu mercado interno.

Em Agosto, o Ministério do Comércio da China tinha anunciado o início de uma investigação sobre os vinhos australianos importados em todo o ano de 2019, num contexto de tensões crescentes entre os dois países.

As relações entre Pequim e Canberra ficaram tensas depois de o primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, se ter aliado aos Estados Unidos e pedido em Abril uma investigação internacional sobre a origem da nova epidemia de coronavírus.

No final de Abril, o embaixador chinês em Canberra, Cheng Jingye, já alertava que a exigência da Austrália para que a pandemia de Covid-19 fosse investigada poderia levar a um boicote por parte dos consumidores chineses: “As pessoas podem perguntar: ‘Porque razão vamos beber vinho australiano?’ Ou comer carne australiana?’”, alertou o embaixador no que soou como uma ameaça velada.

As exportações de vinho australiano para o gigante asiático no ano passado alcançaram o valor de 919 milhões de dólares, de acordo com Canberra. A China é o maior mercado de exportação dos vinhos australianos.

A República Popular da China, que é o principal parceiro comercial da Austrália, já limitou as importações de carne bovina e impôs tarifas sobre a cevada. Além disso, o governo pediu aos cidadãos que não visitassem o país.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.