Festival de Cinema. “O futuro do IFFAM está em jogo”

Pela primeira vez desde que foi criado, há cinco anos, o Festival Internacional de Cinema de Macau (IFFAM) vai decorrer apenas em formato digital, com os 31 filmes que integram o cartaz do certame  a serem disponibilizados aos residentes de Macau e da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong através da plataforma de “streaming” Shift 72.

Marco Carvalho

A informação foi reiterada ao Expediente Sínico pelo director artístico do IFFAM, o britânico Mike Goodridge, depois de no início do mês a organização do certame ter justificado a migração do Festival para a Internet com os “desafios sem precedentes” com que 2020 confrontou o universo da sétima arte. A pandemia de COVID-19 impede a vinda ao território de convidados internacionais.

Goodridge diz-se desolado pelo facto de os filmes que integram o cartaz da 5a edição do Festival Internacional de Cinema e Cerimónia de Entrega de Prémios não poderem ser exibidos nas salas de cinema e lembra que a decisão “escapa ao seu poder”.

O certame decorre entre 3 e 8 de Dezembro, com um formato reduzido e sem qualquer longa metragem assinada por realizadores de Macau. Apesar das contrariedades, Mike Goodridge sustenta que o Festival oferece aos entusiastas da sétima arte de Macau e de Hong Kong a oportunidade única de estar entre os primeiros a assistir aos novos filmes de realizadores como Thomas Vinterberg, François Ozon ou Niwa Nishikawa: “A exibição dos 31 filmes que fazem parte do programa está geobloqueada a Macau e a Hong Kong, pelo que só os residentes das duas Regiões Administrativas Especiais podem ver os filmes”, sublinha o director artístico do IFFAM.  “Em cartaz estão os novos filmes de Thomas Vinterberg, François Ozon, Majid Majidi, Kelly Reichardt  e Miwa Nisjikawa.  Há ainda “Falling”, o filme que pauta a estreia na realização de Viggo Mortensen”, complementa o produtor britânico.

60 mil dólares para o melhor filme

Apesar de decorrer em formato virtual, a edição de 2020 do Festival Internacional de Cinema de Macau mantém o mesmo figurino dos anos anteriores, com onze longas metragens a disputarem o estatuto de melhor filme e um prémio de 60 mil dólares norte-americanos. Os responsáveis pela organização do IFFAM continuam a apostar ainda no certame como montra para jovens realizadores em início de carreira e a dar espaço aos filmes que mais arrebataram as audiências nos grandes festivais internacionais : “Seleccionamos obras de estreia de alguns realizadores que são absolutamente fantásticas, como é o caso de “Limbo”, “Spring Blossom” ou “Sweat”, filmes que foram exibidos em Cannes, em Toronto e em San Sebastian”, ilustra Mike Goodridge. “Vamos exibir o fantástico “Quo Vadis, Aida?” e o assombroso “Never Gonna Snow Again”, que estiveram ambos em competição em Veneza e um viciante drama policial dinamarquês chamado “Shorta”, que também esteve em Veneza. De França chega um thriller brilhante chamado “Meander” e do Reino Unido um filme com James Norton – “Nowhere Special” – que promete arrancar lágrimas à audiência”, complementa o director artístico do IFFAM.

Entre as produções que estão na corrida pelo estatuto de melhor filme no festival constam as películas “Back to the Wharf”, “Love Poem” e “The Cloud in Her Room”. Em exibição na plataforma “Shift72” estará também a obra colectiva “My People, My Homeland”, um projecto que contou com a direcção artística de Ning Hao, o presidente do jurí da 15a edição do IFFAM.

O programa da edição de 2020 contempla ainda uma categoria de apresentações especiais, onde se destaca um documentário, filmado em quatro hospitais do centro da República Popular da China entre Janeiro e Março. “Wuhan -76 dias” foi gravado por três realizadores – um dos quais permanece anónimo –  e relata a batalha do pessoal de saúde da linha da frente durante as semanas de confinamento a que a capital da província de Hebei foi obrigado,

É, de resto, na secção de “apresentações especiais” que encaixa o único filme em língua portuguesa que integra o cartaz do festival: “Narciso em Férias”, um documentário realizado pelos brasileiros Renato Terra e Ricardo Calill, aborda a detenção do cantor Caetano Veloso em 1968.

Num contexto de incerteza e com a economia da Região Administrativa Especial de Macau mergulhada num inédito cenário de crise, Mike Goodridge reitera a ideia de que a 5a edição do IFFAM constitui uma oportunidade única para os cinéfilos de Macau e de Hong Kong. O director artístico do Festival Internacional de Cinema de Macau deixa um apelo, que é também um alerta: “Vamos usar uma plataforma muito boa, concebida pela “Shift72” e a experiência de aceder aos filmes é ágil e conveniente”, assegura o responsável. “Convido-o a dar uma vista de olhos e a instar os seus amigos a fazer o mesmo. O futuro do IFFAM está em jogo”, remata Mike Goodridge.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.