Covid-19. Na combalida Europa, até o Pai Natal terá que manter a distância

Com as reuniões familiares desaconselhadas, instruções para evitar abraços e um educado pedido ao Pai Natal para “manter a distância”, a Europa  prepara-se para o seu primeiro Natal sob o signo da Covid-19.

Governos de todo o continente, que responde por um quarto das infecções e mortes relatadas em todo o mundo, tentam ajustar as limitações à vida pública para permitir que as famílias comemorem a quadra natalícia sem que se corra o risco de uma disseminação do vírus ainda maior.

A maioria das nações europeias deve divulgar os seus planos para o Natal esta semana, e muitos parecem seguir o o mesmo raciocínio: reuniões familiares restritas e tradições festivas, como os mercados natalícios alemães e os desfiles dos Três Reis Magos, em Espanha, em grande parte cancelados.

Na Bélgica, um dos países europeus mais duramente atingidos pela segunda vaga da doença, o primeiro-ministro, Alexander De Croo, está preocupado com uma terceira vaga de infecções numa altura em que a curva da segunda se começa a achatar.

Para reforçar a cautela, o governo belga escreveu ao Pai Natal, cuja visita a 6 de Dezembro com presentes para as crianças é um destaque das comemorações nacionais, a pedir que São Nicolau “mantenha a distância, lave as mãos com frequência e use máscara quando necessário”.

Na Itália, que tem o segundo maior número de ocorrências da Europa, só perdendo para o Reino Unido, o primeiro-ministro, Giuseppe Conte, deixou um alerta na semana passada: “Teremos que passar as festividades de maneira mais contida. Não se recomendam grandes festas, beijos e abraços.”

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.