Continuamos a aprender?

Vi e ouvi com atenção até agora as diversas conferências de imprensa do governo português sobre a Covid 19 . A impressão com que fiquei é que em muitas situações estavam muito mal preparados em relação às perguntas dos jornalistas. 

Jorge Sales Marques/Pediatra

Ainda não percebi o interesse destas conferências de imprensa do ponto de vista prático. Até porque as conferências parecem ser feitas para que não se diga nada de novo.

As respostas são muitas vezes: “Estamos a aprender”. “Eu pergunto: “Estamos a aprender o que, ao certo? Já se passaram 11 meses desde que a doença arrebatou o nosso quotidiano e infelizmente ainda não aprenderam nada. Não quiseram ouvir as pessoas.

“As máscaras dão  uma sensação de falsa segurança”. Apenas decidiram usar a máscara na via pública oito meses depois do primeiro caso ter sido diagnosticado. Fizeram-no, ainda assim, com imensas excepções. Basta alguém se passear pelas ruas para ver pessoas aglomeradas, sem máscaras, em muitos locais, como se fossem todos de uma mesma e única família. Por outro lado, agrupam-se em número superior ao autorizado . Mesmo com polícias por perto, alguém os multa? Não é isto que vejo. É preciso aplicar a lei.

Confinamento em casa, sim senhor. Depois é olhar para os transportes públicos cheios, as pessoas coladas umas às outras. Com máscara, mas juntas, amontoadas, comprimidas umas contra as outras. É ver decisões meramente políticas que não condizem com as regras para a restante população. 

Aconselharam medir a temperatura à entrada de vários locais. Certíssimo. Viram alguma pessoa medir a temperatura aos passageiros antes destes entrarem no autocarro, no metro ou no comboio? Então, onde estão os esforços para impedir a disseminação do vírus?

Outro ponto que me chocou foi a ligeireza com que se encaram os casos suspeitos de Covid-19 em contacto com familiares afectados. Os representantes do governo defendem que não há problema no recurso aos transportes públicos por parte de uma pessoa nestas circunstâncias, uma vez que era apenas um caso suspeito. Mas se estivesse infectado, iria contagiar mais pessoas.

Não venham dizer que 65 por cento dos casos de contágio ocorrem no seio familiar. Estudos mostram que apenas 10 por cento dos casos são de origem familiar. As estatísticas citadas pelo governo português têm por base dados errados .Se seguirem o rasto dos casos afectados, mas de uma forma mais correcta e completa, esta estatística seria certamente diferente.

Finalmente, é habitual remeteram as respostas às perguntas dos jornalistas para a Direcção-Geral da Saúde na segunda-feira, a mesma instituição que através da sua responsável ridiculizou “o coronavírus dos asiáticos”, considerando que era pouco provável que chegasse a Portugal. A mesma responsável que dizia que não era necessário usar máscara, entre outras considerações brilhantemente descabidas. Quando a Direcção Geral de Saúde diz que estamos a aprender  a corrigir os erros, tiveram com muita antecedência todas as dicas para fazerem melhor. 

Não basta fecharem as pessoas em casa. O que se passa fora de casa, por falta de controlo –  excepções a mais e cumprimento das medidas sanitárias a menos –  é muito mais grave. E no intervalo destas falhas constantes, vão morrendo pessoas.

Desde o início da pandemia tiveram a oportunidade de ouvir testemunhos de outros  países e regiões que obtiveram excelentes resultados no combate a pandemia. Foi no telejornal da TVI , da RTP , da rádio TSF, do canal S + , na revista visão, no Observador,  na agência Lusa, no blog Expediente Sínico. Custa- me ouvir repetidamente que, mesmo depois de tanta informação, associado a vários conselhos de iminentes colegas e faculdades portuguesas, ainda venham dizer que estamos a aprender.

Leiam e ouçam as notícias. Vejam os artigos científicos, dos jornais e revistas com olhos de ver. É triste ver que tardam a perceber e a aprender como lidar com a pandemia, tantos meses depois. É o faz de conta, o que se está a passar neste momento no nosso país. Não basta fecharem as pessoas em casa. O que se passa fora de casa, por falta de controlo –  excepções a mais e cumprimento das medidas sanitárias a menos –  é muito mais grave. E no intervalo destas falhas constantes, vão morrendo pessoas. É repugnante ver tanta descoordenação e, acima de tudo, incompetência para gerir uma pandemia , quando tiverem tempo para imitar a resposta de outros países e territórios que estavam a fazer bem melhor. Bastava só isto para ganharmos tempo e estaríamos muito melhor preparados para combater o vírus na segunda vaga. Não precisavam de inventar nada.

“Com coragem ganhamos tempo. Com medo, perdemos terreno e vamos sofrer”. Esta frase foi dita numa entrevista. Infelizmente, é isto que está a acontecer. Mas também não posso deixar de afirmar que o sucesso de qualquer medida sanitária depende do cumprimento do que é decretado por parte dos cidadãos. Quem não cumprir, tem de ser multado. Ninguém deve ser responsável pela morte de outro ser humano, pelo seu acto de egoísmo . Só trabalhando em equipa, iremos vencer este inimigo invisível. Não tenho a menor dúvida. Mas é preciso agir rápido e bem, uma responsabilidade que pertence tanto ao governo, como aos cidadãos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.