TCR China. Rodolfo Ávila pode sagrar-se campeão na Guia

O britânico Rob Huff é o cabeça-de-cartaz da edição de 2020 da Corrida da Guia, mas a prova tem outros atractivos para os adeptos do automobilismo de Macau. De regresso ao traçado urbano do território ao fim de cinco anos de ausência, Rodolfo Ávila pode garantir na Guia um dos maiores títulos da carreira, o triunfo na Taça Chinesa de Carros de Turismo. Depois de ter subido por várias vezes ao pódio ao longo da temporada, o piloto da MG XPower entra para a última ronda da competição a oito pontos do líder da classificação, o piloto chinês Ma Qing Hua. Será este o ano de Rodolfo Ávila em Macau? O piloto do território em entrevista ao Expediente Sínico.

A 67ª edição do Grande Prémio de Macau pauta para o Rodolfo Ávila um regresso a casa…

Rodolfo Ávila: É sempre bom estar de volta.

É um regresso auspicioso, uma vez que está na corrida pelo título no âmbito do TCR China e tem sérias hipóteses de se tornar campeão, um vez que entra para a prova a apenas oito pontos do líder da classificação. Como é que o Rodolfo Ávila está a preparar este regresso a Macau?

R.A: Macau é sempre uma corrida interessante. Volto a competir no Circuito da Guia depois de uma ausência de cinco anos. Há cinco anos que não vinha a Macau. Vou ter de me habituar novamente à pista. É óbvio que uma pista como esta nunca se esquece, mas é interessante poder, nos primeiros treinos, sentir o feeling outra vez da pista e perceber como é que o nosso carro se vai portar nas estradas de Macau. É a primeira vez que competimos em Macau com o MG. É uma corrida muito importante. É uma corrida em que vou lutar pelo Campeonato TCR China; estou oito pontos atrás do líder, por isso, o mais importante mesmo é focar-me no meu adversário, no Ma Qing Hua. É com ele que estou a lutar e o objectivo, é claro, vai passar sempre por acabar à frente dele, tentar recuperar o maior número de pontos possível e, obviamente, tentar conquistar o campeonato aqui em Macau.

Oito pontos numa prova como TCR China constituem uma desvantagem de pouca monta. Em termos de preparação e do carro com que compete, é um carro competitivo, este com que se apresenta este ano em Macau?

R.A: É um carro competitivo, que começou a ser desenvolvido no ano passado e que este ano começou a melhorar substancialmente em termos de performance. No TCR China ganhamos algumas corridas este ano, estivemos algumas vezes no pódio. Talvez seja um pouco menos competitivo que o Lynk & Co, mas não estamos muito longe. Por isso, talvez na pista, se correr um pouco melhor, conseguirei fazer a diferença, mas só mesmo na sexta-feira é que podemos perceber um pouco mais ou menos como é que temos de adaptar o carro para competir aqui em Macau, mas tudo aponta que seja um carro que se vai portar bem na Guia.

Em Macau vai ter como companheiro de equipa o britânico Rob Huff. É um piloto experiente. É uma dificuldade ou é uma vantagem para quem está a lutar pelo título?

R.A: É uma vantagem, claro. Já competimos várias vezes juntos  no Campenato de Carros de Turismo da China. Ele normalmente faz sempre umas quantas corridas por ano e já o tive várias vezes como companheiro de equipa. É sempre bom ter o Rob na nossa equipa. É um piloto bastante rápido e eu já tive a oportunidade de aprender umas quantas coisas com ele e conto aprender também aqui em Macau, onde ele tem muita experiência. Por conhecer melhor do que ninguém este tipo de touring cars, vai ser muito interessante para nós e para os outros pilotos, até porque nos vamos sentir tentados a andar um pouco mais rápidos também.

O Grande Prémio de Macau este ano desenrola-se ao longo de três dias, ao contrário dos quatro que são habituais. Os pilotos e as equipas têm menos tempo para preparar, para afinar o carro. Este detalhe constitui uma dificuldade adicional?

R.A: Teria sido bom se pudéssemos ter andado já esta quinta-feira. O habitual era correr já à quinta-feira, o que oferece às equipas a possibilidade de fazer ajustes ao carro. Com a quinta-feira teríamos também mais tempo para perceber o que se passou nos treinos e pensar o que se pode melhorar para o dia seguinte. É óbvio que vai ter algum impacto. Temos na sexta-feira os dois primeiros treinos. Se não me engano, estão separados por um período de quatro horas, por isso não há muito o que se possa fazer. Este ano temos uma dificuldade adicional, que é o facto dos nossos engenheiros não estarem presentes. Tem de ser tudo feito através da Internet, o que demora um pouco mais do que o normal, mas pronto, de qualquer forma temos de ver o que se pode fazer. Se o Grande Prémio seguiu para a frente num ano complicado, nós também temos de nos adaptar um pouco às mudanças.

O Circuito da Guia é, de certa forma, uma casa para si. Foi aqui que começou e que conhece bem. É este o ano de Rodolfo Ávila em Macau?

R.A: Eu acho que… É sempre difícil dizer que sim ou não, porque Macau é sempre uma pista especial. Em Macau, um pequeno erro ou um pequeno azar pode virar as coisas completamente ao contrário, mas tudo aponta que sim: temos um carro competitivo e tudo aponta para que possamos fazer um bom resultado. Estou um bocado ansioso para ver qual será a performance do carro na sexta-feira, sobretudo comparado com o Lynk & Co, e para ver como é que os outros pilotos se portam, mas estou convencido que a corrida se vai decidir entre três ou quatro pilotos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.