Vacinas chinesas são tão seguras como a de Pfizer, diz especialista chinês

Dr. Zhong Nanshan has become the public face of COVID-19 containment efforts. Above, he speaks at a press conference on February 27.

O destacado especialista chinês Zhong Nanshan assegurou na segunda-feira que as vacinas contra o coronavírus desenvolvidas pelo país asiático são tão eficazes como a da Pfizer, empresa que recentemente anunciou que a sua vacina oferece uma eficácia de 90 por cento contra o coronavírus.

Zhong, líder da equipa de especialistas da Comissão Nacional de Saúde do país, disse esta segunda-feira na abertura de um fórum biomédico na cidade de Cantão que “a investigação e desenvolvimento de vacinas na República Popular da China está a um nível semelhante ao da Pfizer, que pode prevenir 90 por cento das infecções”, informou o Diário de Ciência e Tecnologia.

O especialista também indicou que a taxa não será divulgada “até que os resultados da primeira fase de testes estejam disponíveis”, acrescenta a estação de televisão estatal CCTV.

Zhong observou também que “até à data, a pandemia tem colocado muitos problemas que ainda não foram resolvidos, tais como a própria origem do coronavírus, ou que medicamentos específicos devem ser usados para o combater.

Quatro vacinas de três empresas chinesas estão agora na terceira fase de testes: Sinovac, duas da Sinopharm e uma da Cansino Biologics. Junta-se a estas as de outro consórcio em que o país asiático participa, o formado pela chinesa Fosun Pharma, a alemã Biontech e a americana Pfizer.

A China autorizou no passado 22 de Julho a utilização de vacinas candidatas contra a Covid-19 em certos casos, e o director do Centro de Desenvolvimento de Ciência e Tecnologia da Comissão Nacional de Saúde, Zheng Zhongwei, disse em Setembro que não mostrou efeitos adversos.

Zheng não revelou a data em que as vacinas chinesas estarão amplamente disponíveis, mas indicou que o país asiático planeia produzir 610 milhões de doses da vacina contra o coronavírus antes do final deste ano e 1.000 milhões até 2021. Os fármacos, garante, estarão amplamente “acessíveis ao público”.

A China procura tornar-se no primeiro país do mundo a produzir uma vacina em grande escala contra a Covid-19, para o qual conta com a colaboração de meia dezena de países, que participam na fase final de testes clínicos de vários projectos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.