Azerbaijão diz que tomou a cidade estratégica de Shusha

O presidente do Azerbaijão, Ilham Aliev, afirmou este domingo que as suas tropas assumiram o controlo da estratégica cidade de Shusha, na república separatista de Nagorno-Karabakh. A Arménia negou imediatamente, mas admitiu intensos combates na região.

“Com grande orgulho e alegria, informo que a cidade de Shusha foi libertada”, disse Aliyev, durante um discurso à nação transmitido pela televisão.

O chefe de Estado declarou que o dia  8 de Novembro “ficará na história do povo do Azerbaijão” como o dia “em que retornamos à Shusha”.

A cidade, apelidada de “Jerusalém de Nagorno-Karabakh”, é há vários dias palco de intensos combates.  Shusha abre caminho para a capital separatista Stepanakert e é uma localidade de grande importância cultural para arménios e azeris.

A Arménia, que apoia a auto-proclamada república de Nagorno-Karabakh, negou as reivindicações do presidente Aliyev, garantindo que “a luta continua” pela posse da cidade: “Durante a noite, combates violentos foram travados nas proximidades de Shusha”, disse a porta-voz do Ministério da Defesa da Arménia, Shushan Stepanian, no Twitter.

O governo arménio, por sua vez, afirmou que “combates intensos e decisivos continuam pelo (controle de) Shusha”, assegurando que a captura da cidade era “um sonho ilusório irrealizável para o Azerbaijão”. “Apesar dos grandes danos, a cidade-fortaleza resiste aos golpes do adversário”, acrescentou.

Erguida no topo de uma montanha, Shusha fica a 15 quilómetros de Stepanakert e está localizada numa estrada vital que liga a capital separatista à Arménia.

Desde o final de Setembro são travados combates entre o Azerbaijão e os separatistas apoiados pela Arménia. As duas partes lutam pelo controlo de Nagorno-Karabakh, uma região que se separou de Baku durante uma guerra na década de 1990.

Os novos combates são os mais violentos em quase trinta anos e deixaram mais de 1.250 mortos, mas o número de vítimas é provavelmente muito maior, uma vez que o Azerbaijão não comunica as suas baixas militares.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.