Suiça. Médicos alertam para aumento vertiginoso de infectados por Covid-19

Não há vagas. Na unidade de cuidados intensivos do hospital de La Chaux de Fonds, no oeste da Suíça, os dez leitos, isolados uns dos outros, estão todos ocupados por pacientes com coronavírus e os médicos não têm dúvidas: a segunda onda é muito mais violenta que a primeira.

“Esta manhã, pediram-me para permitir a entrada de mais um paciente (…) Tive que transferir para outro hospital o paciente mais estável para poder abrir uma nova vaga”, explica o médico Hervé Zender, chefe da unidade de terapia intensiva do estabelecimento. “Isto é algo que estamos a fazer quase todos os dias actualmente (…) já que a unidade está sempre cheia”, complementa.

A Covid-19 atinge a Suíça desde há várias semanas com uma grande intensidade, em particular,  os cantões de língua francesa, onde a capacidade hospitalar está a aproximar-se perigosamente da saturação.

Para o pessoal de saúde, sem dúvida, a segunda onda é muito mais violenta que a primeira: “Temos muito mais pacientes”, diz Hervé Zender.

No pronto-socorro, a chefe de enfermagem, Brigitte Hostettler, explica: “Digamos que a primeira onda foi suportável, conseguimos controlar tudo e não houve um afluxo maciço. Mas esta nova onde está a ser muito difícil de gerir. Há muitos pacientes no hospital, é complicado e também há muito mais pessoas positivas entre a equipa hospitalar”.

Quanto aos pacientes, “há um pouco de todas as idades, muitos idosos, entre 70 e 80 anos ou mais, mas também há jovens de 35 ou 45 anos”, acrescenta.

O cantão de Neuchâtel, onde está localizado o hospital de La Chaux de Fonds, tem uma incidência de 314 casos positivos por 10.000 habitantes, “quase o dobro” de toda Suíça  –  174 por 10.000 habitantes – destaca a direcção da rede hospitalar local em comunicado.

Na tentativa de fazer frente à situação, a rede estabeleceu uma capacidade adicional de camas e reforçou as equipoas para atender até 250 pacientes com Covid-19.

Na quarta-feira, 120 pacientes positivos e 19 suspeitos de contágio, que aguardavam a libertação de resultados, foram internados, segundo dados da rede.

O hospital La Chaux de Fonds suspendeu toda a sua actividade cirúrgica. As operações mais urgentes podem ser realizadas apenas no outro grande hospital do cantão.

Ao mesmo tempo que compreendem o “aborrecimento” da população com as medidas sanitária, os funcionários consideram que não se tem consciência do quanto a situação se está a agravar nos hospitais.

Alguns consideram ainda que o conselho federal está a agir de forma muito tímida perante esta segunda onda e acolhem com agrado as decisões de encerrar restaurantes, lojas e confinamento parcial adoptadas a nível cantonal.

Todos esperam que tais medidas parem o fluxo de pacientes: “Estamos todos cansados. Mental e fisicamente exaustos”, insiste Jérémy Bouhelier, chefe de enfermagem da unidade de cuidados intensivos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.