EUA. O mais jovem congressista eleito já causa polémica

Com apenas 25 anos de idade, o republicano Madison Cawthorn tornou-se um dos eleitos mais jovens na história ao Congresso dos Estados Unidos da América, após uma campanha amarga e polémica.

De acordo com resultados quase definitivos, o jovem Cawthorn venceu o 11º distrito da Carolina do Norte na terça-feira com 54,5 por cento dos votos contra o seu rival democrata, o oficial militar aposentado Moe Davis, de 62 anos.

Espera-se que Cawthorn, que está confinado a uma cadeira de rodas desde que um acidente o paralisou aos 18 anos, se torne o mais jovem congressista norte-americano desde William C.C. Claiborne, eleito aos 22 anos em 1797, de acordo com a CNN.

Claiborne era três anos mais jovem do que a idade exigida constitucionalmente de 25 anos, mas a Câmara dos Representantes decidiu aceitá-lo de qualquer maneira.

Cawthorn também é quatro anos mais jovem que a democrata de esquerda Alexandria Ocasio-Cortez, que tinha 29 anos quando foi eleita em 2018: “Do fundo do meu coração, obrigado”, disse  aos seus apoiantes no Twitter.

“Toda a glória vai para Deus e estou animado por poder servir cada um dos membros deste distrito”, acrescentou o apoiante de Trump, que foi convidado a falar na convenção republicana em Agosto.

Cawthorn, que é pró-armas e antiaborto, liderou uma campanha agressiva contra o seu adversário, rotulando-o de fantoche de Washington e acusando-o de menosprezar a liberdade religiosa.

Mas o seu rival não ficou para trás. Os eleitores “merecem uma coisa melhor do que um predador sexual habitualmente mentiroso e sem qualificações”, tweetou Davis.

“Não há lugar no Congresso para um degenerado como Madison Cawthorn”, emendou. Entre outras coisas, Davis se referiu a acusações de comportamento impróprio com mulheres, que foram negadas por  Cawthorn.

Cawthorn  esteve envolvido em polémica depois de uma foto dele e do seu irmão ter sido publicada no Instagram no “Ninho da Águia”, uma das casas de férias de Adolf Hitler na Alemanha.

“A casa de férias do Führer. Ver o Ninho da Águia estava na minha lista de desejos há algum tempo e não decepcionou”, escreveu, embora também se tenha referido a Hitler como “o mal supremo”.

Cawthorn defendeu-se, ao deixar claro que se referia à alegria dos soldados que derrotaram Hitler.

E atraiu mais críticas esta semana quando, apesar de prometer curar as divisões, ele postou um tweet presunçoso no momento de sua vitória. “Continue a chorar, lib(eral)”, provocou.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.