EUA. Líderes republicanos demarcam-se de posições de Trump

Várias figuras de proa do Partido Republicano, entre eles os poderosos senadores Mitch McConnell e Marco Rubio, preferiram manter-se à margem das acusações do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que se declarou vencedor e denunciou irregularidades nas eleições deste ano.

McConnell, que é líder da maioria do Partido no Senado e um dos principais aliados do chefe de Governo, distanciou-se de Trump e apenas admitiu que há um número maior de estados que fizeram a votação antecipada e pelo correio, o que faz com que os candidatos tenham que se adaptar às regras: “A decisão dos estados sobre como realizar a eleição não é assunto do Governo federal”, avaliou McConnell.

Trump, que denunciou fraudes nas eleições sem apresentar provas, afirmou que teve mais votos que o seu adversário, o democrata Joe Biden, na Pensilvânia, Geórgia, Carolina do Norte e Michigan, quatro estados que ainda têm a contagem em andamento, e neste último as projecções dão a vitória a Biden: “Afirmar que venceu as eleições é diferente do que terminar a contagem”, disse o senador à imprensa.

O senador Marco Rubio expressou-se no Twitter sobre as denúncias de irregularidades feitas por Trump e chegou a ser irónico com o presidente dos EUA: “Levar dias para contar os votos, legalmente, não é uma fraude”, escreveu.

Horas antes, o próprio Rubio tinha garantido que o resultado oficial das eleições presidenciais só seriam conhecidos depois da contagem de todos os votos emitidos de maneira legal.

Biden, de acordo com projecções da imprensa americana, precisa de mais seis delegados para chegar aos 270, que garantem a vitória no Colégio Eleitoral. Trump, até ao momento, terá obtido 214.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.