Eleições norte-americanas. Os processos judiciais da campanha de Trump

Alegando ser vítima de fraude eleitoral, a campanha para a reeleição do presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, lançou uma ofensiva judicial para conter o avanço do seu adversário nas urnas, o democrata Joe Biden.

O antigo vice-presidente do país na Administração de Barack Obama, Biden está perto de conseguir 270 delegados no Colégio Eleitoral – órgão que decide as eleições americanas, que não são directas – , o número necessário para um candidato chegar à Casa Branca.

Eis as alegações feitas pela campanha do político republicano para tentar impedir a vitória do Partido Democrata.

O Espectro dos votos fantasmas no Nevada

Sem fornecer qualquer prova, a equipa de Trump disse que houve fraude no estado do Nevada, porque cerca de 10.000 pessoas que já não vivem no estado terão conseguido votar e votos de pessoas que já morreram terão sido contabilizados.

Neste e em outros casos, as alegações da campanha são baseadas em embustes. Por exemplo, as autoridades eleitorais de cada estado revêm frequentemente as listas de eleitores para remover os nomes daqueles que morreram, de modo que não há provas de que este seja um problema generalizado.

O sistema de justiça do Nevada ainda não tomou uma posição. Todas as acções judiciais que Trump apresentou podem acabar nas mãos do Supremo Tribunal.

Com a Geórgia na lembrança

No estado da Geórgia, a campanha de Trump optou por apresentar a sua acção judicial no condado de Chatham, onde fica a cidade de Savannah, onde os eleitores democratas são predominantes.

Novamente sem fornecer provas, a campanha de Trump alegou que um observador republicano naquele condado viu 53 votos atrasados serem ilegalmente adicionadas a uma pilha de cédulas enviadas pelo correio que chegaram dentro do tempo válido para a contagem. Para serem validadas, os votos na Geórgia tinham que chegar antes das 19h da última terça-feira, dia das eleições. Um juiz da Geórgia arquivou a acção judicial na quinta-feira por falta de provas.

Rumores no Michigan

A campanha de Trump também alegou que a secretária de Estado do estado do Michigan, a democrata Jocelyn Benson, principal autoridade eleitoral do estado, estava a permitir que os votos que tinham sido depositados antecipadamente fossem contabilizados sem a supervisão de observadores de ambas as partes.

Por isso, a equipa do presidente pediu uma paralisação na contagem dos votos e uma revisão à qual os observadores republicanos supostamente não tinham tido acesso.

Na quinta-feira, uma juíza rejeitou o pedido da campanha de Trump porque disse que tinha por base “rumores”, e também lembrou que a contagem dos votos estava quase a terminar no Michigan, pelo que a acção judicial tinha sido apresentada tarde demais.

Mais acesso na Pensilvânia

A equipa de Trump pediu à Justiça que observadores do Partido Republicano fossem autorizados a posicionar-se a 1,8 metros de qualquer mesa onde estivesse a ser feita a contagem dos votos na Pensilvânia, para melhor monitorizar o processo.

Um tribunal de apelação do estado decidiu a favor de Trump na quinta-feira, mas o efeito é limitado, pois não impede a contagem dos votos, nem invalida nenhuma parte da contagem que foi feita até agora.

Além disso, a campanha de Trump pediu ao Supremo Tribunal dos EUA, na quarta-feira, que lhe permitisse se juntar a um processo já ajuizado pela representação estatal do Partido Republicano.

Os republicanos da Pensilvânia tinham pedido ao mais alto tribunal do país que revogasse a decisão do Suprema Tribunal desse estado que permite a contagem dos votos enviados pelo correio que cheguem até esta sexta-feira, desde que tenham sido enviados até ao dia das eleições.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.