Atrasar tratamentos de cancro por um mês aumenta risco de morte até 13 por cento

Atrasar o tratamento de um cancro por um mês aumenta o risco de mortalidade do paciente, adverte um estudo publicado na quarta-feira, que reforça a conclusão de outras investigações sobre os efeitos colaterais da pandemia em outras doenças.

O novo coronavírus causou rupturas sem precedentes no acesso a serviços de saúde no mundo inteiro. Num estudo publicado na revista médica britânica “BMJ”, investigadores britânicos e canadianos analisaram as consequências do atraso do tratamento (cirurgias, radio e quimioterapia, etc.) em sete tipos de cancro, a partir de 34 estudos publicados nos últimos vinte anos.

Fora de um contexto de pandemia, “os atrasos no tratamento são excepção, mas podem afetar 10 ou 15 por cento dos pacientes”, indicou à AFP o oncologista Ajay Aggarwal, um dos autores do estudo. Aggarwal concluiu que um mês de atraso pode aumentar o risco de morte entre 6 e 13 por cento. Quanto maior o atraso, maior o risco.

Adiar por 12 semanas a cirurgia de uma mulher com cancro da mama traduz-se em 6.100 mortes adicionais nos Estados Unidos da América e 1.400 no Reino Unido, estimam os autores.

Reagendamento

Estas conclusões “convidam à reflexão”, assinalam os investigadores, numa altura em que muitos hospitais tiveram que reagendar cirurgias para aumentar o número de leitos e funcionários disponíveis para receber pacientes com Covid-19: “Alguns países publicaram recomendações para que fosse dada prioridade a cirurgias de cancro, que os resultados do estudo não parecem validar”, assinalaram os investigadores. No Reino Unido, por exemplo, considera-se possível atrasar de 10 a 12 semanas alguns tratamentos, como as cirurgias colorrectais, sem impacto negativo para o paciente: “Concluímos que aumentar o tempo de espera para esse tipo de cirurgia para 12 semanas, em vez de seis, aumenta o risco de morte em 9 por cento”, apontaram os responsáveis pelo estudo.

Globalmente, um atraso de quatro semanas numa cirurgia aumenta a mortalidade de 6  a 8 por cento, e o risco sobe para 9 por cento no caso da radioterapia para cancros da cabeça e do pescoço. Em algumas situações, o risco aumenta até 13 por cento, como no tratamento coadjuvante (que previne o risco de reincidência) do cancro colorrectal.

Se o atraso passa para oito ou 12 semanas numa cirurgia de cancro da mama, o risco de mortalidade aumenta 17 e 26 por cento, respectivamente, calculam os autores.

Outro estudo, publicado em Julho na “The Lancet Oncology”, estima que os atrasos de diagnóstico no Reino Unido desde meados de Março se traduziram em cerca de 3,5 mil mortes adicionais por quatro tipos de cancro nos próximos cinco anos naquele país.

Um artigo publicado em Agosto no “Jama Network Open” mostra que o número semanal de diagnósticos de cancro nos Estados Unidos caiu cerca de 50 por cento em Março e Abril.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.