Trump ou Biden? Os estados onde se joga o futuro da América

O resultados das eleições presidenciais dos Estados Unidos da América depende fundamentalmente de quatro dos 50 estados do país, que já anunciaram que vão precisar de mais horas, talvez  mesmo de dias, para concluir o processo de apuramento dos votos.

O atraso fica a dever-se ao aumento significativo do volume de votos pelo correio, um expediente muito utilizado no contexto da pandemia de Covid-19. Wisconsin, Michigan, Geórgia e Nevada são os estados em que a disputa continua renhida entre o republicano, Donald Trump, e o democrata Joe Biden. Na Pensilvânia e no Alasca –  este último com menor impacto no número de delegados – o actual presidente tem uma margem confortável.

Nos Estados Unidos, caso a diferença entre os candidatos, no término do processo de contagem em algum dos estados, seja inferior a 1 por cento, pode ser solicitada uma nova contagem, o que atrasaria ainda mais a divulgação dos resultados oficiais.

Wisconsin

Com 95 por cento da contagem concluída, Biden tem uma vantagem de cerca de 20 mil votos. Além disso, há milhares de votos pelo correio a serem processados por máquinas que automatizaram o processo. No entanto, ainda é preciso fazer o transporte dos votos. As dificuldades logísticas em vastos territórios, como os do Wisconsin, que atrasam a contagem, fazem com que surjam denúncias de fraude, especialmente da parte de Donald Trump, que tem mantido a estratégia de alegar riscos no voto à distância.

Michigan

Com 91 por cento contabilizado, o actual presidente norte-americano lidera com 2.437 milhões de votos, contra 2.412 milhões de votos de Biden, o que significa uma diferença de cerca de 25 mil. A margem favorável ao candidato republicano tem vindo a cair na recta final da contagem. De acordo com a secretária de Estado do Michigan, Jocelyn Benson, encarregada do processo, a ideia mais clara do panorama, no entanto, só deverá acontecer nas próximas 24 horas, pelo que pediu “paciência” aos eleitores dos dois partidos. O atraso ocorre porque as localidades com mais de 25 mil habitantes do estado só começaram a processar os votos antecipados na segunda-feira.

Pensilvânia

Estado considerado crucial nas eleições americanas, com 75 por cento dos votos contados, e onde Trump tem vantagem de 600 mil votos. No entanto, há mais de um milhão de votos por correio a serem processados. Cidades tradicionalmente de maioria democrata, como Filadélfia e Pittsburgh, terão centenas de milhares de votos a processar, o que gera a possibilidade de uma grande margem para entrar na conta de Biden nas próximas horas ou talvez dias.

Geórgia

Estado tradicionalmente republicano, em que um democrata não vence desde 1992, na altura  Bill Clinton era o candidato, tem 94 por cento dos votos contados, com uma vantagem apertada para Trump, que recebeu até agora 2,38 milhões da preferência do eleitorado, contra 2,28 de Biden. A expectativa, no entanto, é pela contagem dos votos das regiões democratas do estado, especialmente na cidade de Atlanta e arredores. No condado de Fulton, o mais povoado do estado, foi iniciada uma recontagem de milhares de votos enviados pelo correio, devido a um problema na canalização na arena State Farm, que funciona como centro eleitoral, o que gerou atrasos no processo.

Nevada

Noutro estado considerado crucial para o resultado, onde nenhum republicano consegue vencer desde 2004, foram contados 83 por cento dos votos. Biden lidera com 49,3 por cento, enquanto Trump aparece com 48,7 por cento, uma diferença de apenas 8 mil votos. As autoridades locais, ainda pela madrugada, indicaram que só haveria uma atualização dos dados às 9h locais. No estado, até ao início da contagem dos votos das urnas, não foi iniciado o processo de apuração dos votos por correspondência, que têm tendência de favorecer Biden, já que a maioria que antecipou a participação é democrata.

Alasca

No estado que apenas confere três delegados para escolher o presidente, Trump lidera com folga, com 45 por cento dos votos contados. O presidente conta com 62,91 por cento da preferência frente aos 33,05 por cento de Biden, num resultado que já era esperado pelos dois lados.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.