“Os casinos podem tornar-se peões no xadrez das hostilidades sino-americanas”

Os olhos do mundo estão esta terça-feira postos nos Estados Unidos da América. O eleitorado norte-americano vai escolher entre a continuidade de Donald Trump à frente dos destinos do país ou optar por uma mudança de rumo sob a batuta do antigo vice-presidente Joe Biden. Vença quem vencer, as relações entre Pequim e Washington vão continuar amargas, defende Priscilla Roberts, docente norte-americana da Universidade Cidade de Macau. Especialista em história e autora de várias obras sobre as relações sino-americanas, a académica defende que a rivalidade estratégica entre os Estados Unidos e a China veio para ficar e considera que o panorama não é muito encorajador para Macau, quer com Trump, quer com Biden na Casa Branca. Os casinos propriedade de empresas norte-americanas, diz, correm o risco de se tornarem alvos de Pequim se o braço-de-ferro entre as duas maiores potências do mundo azedar ainda mais.

Marco Carvalho

As relações económicas e políticas entre a República Popular da China e os Estados Unidos da América nunca foram tão tensas no século XXI como são na antecâmara destas eleições presidenciais. O escrutínio de 3 de Novembro pode ser um ponto de viragem, tendo em conta este paradigma?

Priscilla Roberts:  A meu ver, no que diz respeito ao facto das relações entre a República Popular da China e os Estados Unidos da América terem azedado, o ponto de viragem já ocorreu. A verdadeira questão que ficou por responder é: o quão piores se podem tornar as relações entre os dois países? Já houve uma mudança definitiva de paradigma no que diz respeito à política dos Estados Unidos e, de uma forma mais vasta, do mundo Ocidental em relação à República Popular da China. As divisões já não são entre aqueles que defendem uma relação mais amistosa com a China e aqueles que apresentam reservas, mas entre aqueles que têm reservas mas ainda assim sentem que é necessário trabalhar com a China e aqueles que são profundamente anti-chineses. Deixe-me enviar-lhe um relatório que um amigo chinês me pediu para escrever em Abril. É óbvio que necessita de ser actualizado, mas parece-me que os fundamentos básicos da análise permanecem intocados. Escusado será dizer que as recomendações que fiz foram completamente ignoradas.

Que tipo de políticas pode Pequim esperar de Washington se Donald Trump for reeleito? O risco de um conflito armado é tangível?

P.R: Se Donald Trump for reeleito, o que vier a acontecer depende, em grande medida, do tipo de conselheiros e assessores de que ser vier a rodear. Durante grande parte da sua presidência, a China gostou de trabalhar com ele. Até Março  – ou seja, até há relativamente pouco tempo – alguns dos meus amigos chineses estavam complacentemente convictos que, desde que a China fizesse algumas concessões no que toca ao comércio e as tarifas, Pequim poderia fazer como queria e bem entendia em relação a outras questões: Xinjiang, Mar do Sul da China, Hong Kong, Tibete e outros. E, como tal, estavam a torcer pela re-eleição de Donald Trump. Houve ao longo dos anos uma dura retórica por parte de alguns  “falcões” no seio da administração Trump – Pompeo, Mike Pence, Bolton – mas, em mais do que um sentido, Donald Trump era uma espécie de melhor amigo de Xi Jinping. A pandemia de Covid-19 ajudou esses “falcões” a ganhar vantagem. E eles estão a trabalhar de forma árdua para ver aprovadas políticas          anti-China, o mais rígidas que conseguirem. Suspeito que, caso seja reeleito, Trump permaneça fortemente anti-China, ainda que as suas políticas sejam erráticas e imprevisíveis. Talvez exista algum risco de um confronto militar, mas não diria que haja de uma guerra aberta, a não ser que a China pressione com a questão de Taiwan. É preciso não esquecer que ao longo de três anos, durante a Guerra da Coreia, tropas chinesas lutaram contra tropas norte-americanas, mas os dois países nunca estiveram abertamente em guerra. As forças norte-americanas faziam parte de uma força de manutenção de paz da Organização das Nações Unidas, ao passo que as tropas chinesas era todas “voluntárias” que foram para o teatro de guerra por sua livre vontade para ajudar os as forças norte-coreanas.

E se Biden e os Democratas vencerem? Há razões para acreditar numa abordagem mais conciliatória da parte do Governo norte-americano?

P.R: Se Biden e os Democratas vencerem, as políticas norte-americanas vão continuar a ser fortemente anti-Chinesas, mas provavelmente menos erráticas. Mas não me parece que as relações entre os dois países voltem a ser como eram. Os Democratas são, de muitas e variadas formas, tão anti-chineses como os Republicanos, apesar de o serem algumas vezes por razões diferentes, com as questões associadas aos direitos humanos a assumirem um peso maior quando comparadas com a questão das rivalidades estratégicas. Ao longo dos últimos trinta anos, por exemplo, Nancy Pelosi tem-se mostrado firmemente anti-chinesa por causa da questão dos direitos humanos.

No que diz respeito aos interesses de Macau – e tendo em conta que três das concessionárias de jogo têm raízes nos Estados Unidos da América – qual diria que é o resultado que melhor serve os interesses do território? Uma vitória republicana? Ou uma vitória democrata?

P.R: Como todos sabemos, Sheldon Adelson é um dos principais financiadores da campanha de Donald Trump, o que faz com que os seus casinos em Macau possam ser vistos como um eventual alvo das autoridades chinesas se os Republicanos vencerem. Mas com as relações entre os dois países a adivinharem-se pobres e conflituosas, quer ganhem os Republicanos, quer ganhem os Democratas, os casinos propriedade de empresas norte-americanas podem tornar-se peões no xadrez das hostilidades sino-americanas, a exemplo do que aconteceu com empresas como a TikTok, o WeChat ou a Huawei.

Antes de Donald Trump ter sido eleito para a Casa Branca, as relações entre os Estados Unidos da América e a República Popular da China eram caracterizadas por uma abordagem dupla: cooperação/coordenação, por um lado, e competição/conflito, por outro. Os dois países mantinham uma sólida relação comercial que se ressentiu do braço-de-ferro promovido pela administração Trump. Uma administração Democrata vai procurar remendar as diferenças que se postulam a este nível?

P.R: Não tenho grandes esperanças de que as relações comerciais sino-americanas possam melhorar muito sob a égide de uma administração democrata. Muitos Democratas sentem que as práticas comerciais com a China se descontrolaram e argumentam que uma das poucas coisas boas que Donald Trump fez foi precisamente tentar tomar as rédeas no que diz respeito a esta matéria. Lamente que as minhas perspectivas sejam tão deprimentes, mas a situação é bastante deprimente. E o panorama para Macau também não é muito encorajador, na minha opinião.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.