Áustria lança caça ao homem para localizar autor dos ataques de Viena

Depois de uma noite de pânico e confusão, a polícia austríaca está esta terça-feira a tentar determinar o paradeiro de um suspeito dos tiroteios coordenados executados em Viena. Os atentados mataram quatro pessoas e foram classificados como um “repugnante ataque terrorista” pelo chanceler Sebastian Kurz.

Um dos criminosos, armado com um fuzil e um falso cinturão de explosivos, foi morto pela polícia. Trata-se de um “simpatizante” do grupo jihadista Estado Islâmico (EI), de acordo com os indícios encontrados pela em sua casa, informou esta terça-feira o governo austríaco.

“Há indícios claros de que é uma pessoa radicalizada e uma pessoa que se sente próxima ao Estado Islâmico”, afirmou o ministro da Administração Interna, Karl Nehammer.

Viena encontra-se totalmente isolada para encontrar outros possíveis envolvidos com o atentado. A polícia e as autoridades não sabem com certeza se os actos foram executados por apenas uma pessoa, já que os tiroteios aconteceram em seis lugares diferentes e em momentos diferentes.

De acordo com Nehammer, “pelo menos um suspeito está foragido”. Esta terça-feira, o ministério do Interior deu conta da morte de uma quarta pessoa, que não resistiu aos ferimentos. Dois homens e duas mulheres morreram nas investidas. Quinze pessoas estão hospitalizadas, sete delas em estado grave.

Os primeiros tiros foram ouvidos no fim da tarde de segunda-feira, perto de uma das maiores sinagogas da cidade, que estava fechada, e da Ópera, em pleno centro de Viena. O tiroteio aconteceu um pouco antes da entrada em vigor do novo confinamento decretado para frear a pandemia de Covid-19.

Várias testemunhas afirmaram que observaram um homem a atirar “como um louco” com uma arma automática. Uma pessoa disse que viu “alguém a correr com uma arma automática” e outra citou “pelo menos 50 disparos”.

Nos restaurantes e bares do centro de Viena, clientes, aterrorizados e em choque, receberam ordens para permanecer dentro dos estabelecimentos, com as luzes apagadas, enquanto as sirenes das ambulâncias dominavam as ruas.

As forças de segurança blindaram o centro da capital, enquanto os espectadores que compareceram à última apresentação na Ópera antes do confinamento deixaram o local escoltados: “Permaneçam em casa! Se estão fora de casa, procurem refúgio em algum lugar, afastem-se dos locais públicos, não utilizem os transportes”, escreveu a polícia no Twitter.

O chanceler Sebastian Kurz chamou os tiroteios de um “repugnante ataque terrorista”.

“Nunca seremos intimidados pelo terrorismo e combateremos estes ataques de todas as formas e feitios”, afirmou no Twitter.

A polícia e o exército foram mobilizados para vigiar os edifícios mais importantes da capital e as aulas foram suspensas esta terça-feira. O atentado provocou uma onda de condenação e solidariedade com a Áustria.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que os “ataques do mal contra pessoas inocentes têm de acabar”: “Os Estados Unidos estão com a Áustria, a França e toda a Europa na luta contra o terrorismo, incluindo os terroristas islamitas radicais”, completou no Twitter.

Clima tenso na Europa

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, escreveu no Twitter que a “Europa está totalmente solidária com a Áustria. Somos mais fortes que o ódio e o terror”.

A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou nesta terça-feira que o “terrorismo islamita é nosso inimigo comum” e que a luta contra ele também é “nosso combate comum”. A Alemanha reforçou, ainda assim,  os controlos na fronteira com a Áustria.

O atentado em Viena – uma cidade com níveis de criminalidade muito baixos –  acontece em um momento de grande tensão na Europa.

Em França, três pessoas foram assassinadas na quinta-feira  num ataque com faca na basílica de Nice por um jovem tunisino que acabara de chegar ao continente, onde entrou como emigrante ilegal.

Poucos dias antes, um professor, Samuel Paty, foi decapitado perto da escola em que trabalhava nas proximidades de Paris, depois de mostrar caricaturas de Maomé durante uma aula sobre liberdade de expressão, um crime que chocou a França e boa parte do mundo.

A Áustria permaneceu relativamente à margem dos atentados islamitas que afectaram a Europa nos últimos anos. Em Março de 2018, um jovem, simpatizante islamita segundo a polícia, atacou um membro das forças de segurança diante da embaixada do Irão em Viena antes de ser morto.

Em Junho de 2017, um jovem nascido na Tunísia matou um casal de idosos em Linz porque desejava denunciar que se sentia discriminado por ser estrangeiro e muçulmano.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.