Covid-19. Alemanha adopta confinamento de um mês

 A Alemanha vai impor um período de confinamento de um mês que inclui o encerramento de restaurantes, academias de ginástica e teatros para reverter um pico de casos de coronavírus que pode sobrecarregar os hospitais, disse a chanceler, Angela Merkel, na quarta-feira.

“Precisamos de agir neste momento”, disse a responsável, acrescentando que o aumento recente nos número de infecções gerou apoio político e público a novas medidas para reduzir os contactos sociais e conter surtos.

A partir de 2 de  Novembro, as reuniões particulares serão limitadas a 10 pessoas de no máximo duas casas. Restaurantes, bares, teatros, cinemas, piscinas e academias de ginástica serão encerradas e os espectáculos vão ser cancelados.

As competições desportivas profissionais só poderão ser realizadas sem espectadores. As pessoas serão exortadas a não viajar por razões que não sejam essenciais e as estadias  em hotéis só estarão disponíveis para viagens de negócios.

Mas as escolas e as creches permanecerão abertas, assim como as  lojas, contando que respeitem o distanciamento social e regras de higiene. As normas de âmbito nacional substituem uma colcha de retalhos confusa de medidas regionais.

Para tornar as medidas mais palatáveis, especialmente para empresas menores, a Alemanha oferecerá ajuda financeira para aqueles que forem prejudicados pela novas restrições.

De acordo com um novo pacote de ajuda equivalente a 11,82 mil milhões de dólares, empresas com até 50 funcionários receberão no mês de Novembro 75 por cento da sua facturação no mesmo período do ano anterior.

Além disso, trabalhadores autónomos, como artistas e assistentes de palco, terão acesso a empréstimos extraordinários, e o governo ampliará um programa de liquidação existente para dar às pequenas empresas com menos de 10 funcionários acesso a empréstimos com taxas de juro muito baixas.

Maior economia da Europa, a Alemanha foi amplamente elogiada por manter as taxas de infecções e mortes abaixo das de muitos dos seus vizinhos na primeira fase da crise, mas agora está no meio de uma segunda onda, como a maior parte do continente.

Os casos aumentaram em 14.964 e chegaram a 464.239 nas últimas 24 horas, disse o Instituto Robert Koch, a agência de doenças infecciosas alemã, nesta quarta-feira. As mortes aumentaram em 85 e chegaram a 10.183, intensificando o temor em relação à sobrelotação do sistema de saúde depois de Merkel ter alertado que os hospitais podem chegar a um ponto de ruptura se as infecções continuarem a disparar.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.