Qatar faz “mea culpa” por exames ginecológicos forçados

As autoridades do Qatar fizeram esta quarta-feira mea culpa pelos exames ginecológicos forçados a que foram submetidas várias mulheres no aeroporto de Doha, com o propósito de encontrar a mãe de um recém-nascido abandonado.

“Embora o objetivo dos exames, decididos à pressa, fosse evitar a fuga dos autores de um crime horrível, o Estado do Qatar lamenta o sofrimento ou a violação das liberdades individuais que essa acção possa ter causado aos viajantes”, indica um comunicado publicado num portal do governo.

A 2 de Outubro, agentes do aeroporto de Doha obrigaram passageiras de um voo com destino a Sydney a desembarcar, obrigando-as a submeterem-se a exames ginecológicos para determinar se alguma delas tinha dado à luz recentemente, após a descoberta de um recém-nascido abandonado numa das casas de banho. Posteriormente, as autoridades australianas afirmaram que havia mais voos afectados.

O primeiro-ministro do Qatar, Khaled bin Khalifa Al-Thani, afirmou em comunicado que será realizada uma investigação “completa e transparente”. O governante assinalou que o país se compromete “a garantir a segurança e o conforto de todos os passageiros que transitam” pelo seu território.

O incidente provocou uma disputa diplomática com a Austrália, que protesta contra o tratamento dispensado às suas cidadãs.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.