Covid-19. França caminha para segundo confinamento

A França pode anunciar esta quarta-feira o regresso a uma política de confinamento geral, que seria menos estrito que na Primavera, perante a segunda onda da pandemia de Covid-19, que provocou quase 300 mortes em hospitais na terça-feira.

O presidente francês Emmanuel Macron deverá anunciar às 20H00 novas medidas, que se antecipam “impopulares”, de acordo com fontes ministeriais.

O líder do partido governamental LREM, Stanislas Guérini, justificou de maneira antecipada o provável regresso do confinamento: “Necessitamos de medidas fortes, medidas potentes, compreensíveis para todos os franceses, nacionais provavelmente”, afirmou ao canal France 2.

Na terça-feira, mais de 2.900 pacientes com Covid-19 estavam internados em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI’s), o que representa metade da capacidade actual (5.800 leitos) do país nestas unidades.

O portal oficial do governo deu conta de 288 mortes nos hospitais na terça-feira para as últimas 24 horas, e 235 em casas de repouso para idosos nos últimos quatro dias, o que eleva o balanço a 35.541 vítimas fatais na França desde o início da pandemia.

Nos piores momentos da primeira onda, em Abril, o país registou mais de 700 óbitos em alguns dias, considerando hospitais e casas de repouso.

Para Philippe Juvin, director da emergência do hospital parisiense Goerges-Pompidou, um novo confinamento é inevitável: “Temos que tomar (esta medida), certamente”, afirmou à rádio RTL. “Estamos diante de uma curva que sobe muito rápido (de 30 a 50.000 novos casos por dia) e temos que adoptar medidas agora porque podem ser tomadas muito tarde se esperarmos, por exemplo, oito dias”, completou, antes de apontar o “risco de colapso do sistema de saúde”.

O presidente da Federação de Hospitais da França, Frédéric Valletoux, destacou que o toque de recolher obrigatório  que vigora das 21H00 às 6H00 imposto a 46 milhões de franceses “não deu os resultados esperados”.

O novo confinamento pode ser menos estrito que o da Primavera: as escolas permaneceriam abertas, assim como os serviços públicos e comércios essenciais.

“Deve responder ao objectivo de limitar os contactos físicos, mas ao mesmo tempo a economia e também a sociedade deve continuar a funcionar”, declarou Philippe Juvin, que pediu ao país para encontrar um “bom nível de equilíbrio”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.