Qatar força mulheres a exames ginecológicos após descoberta de recém-nascido abandonado

O escândalo dos exames ginecológicos a que várias passageiras foram forçadas, após a descoberta de um bebé recém-nascido abandonado no Aeroporto Internacional de Doha, pode desferir um sério golpe nos esforços do abastado país do Golfo para melhorar a sua imagem antes da Campeonato do Mundo de 2022.

A 2 de Outubro, agentes do aeroporto de Doha retiraram passageiras de um avião de um voo com destino a Sydney, obrigando-as a fazer testes para determinar se alguma tinha dado à luz recentemente após a descoberta do recém-nascido abandonado nas casas de banho.

Um pequeno país do Golfo Pérsico que deve a sua prosperidade ao gás natural, o Qatar ganhou prestígio internacional, devido aos investimentos na comunicação social, no desporto e na cultura. Em 2022, o emirado será o primeiro país árabe a sediar um Campeonato do Mundo de Futebol.

Com uma frota ultramoderna e serviços de luxo, a companhia aérea nacional Qatar Airways é uma das mais prestigiadas do mundo e  asua reputação também pode ser afectada pelo incidente, estima Mark Gell, fundador da Reputation Edge, empresa de consultoria de imagem: “Foi responsabilidade da companhia aérea? Não sabemos. Mas isso pode ter um impacto sobre os negócios”, disse à AFP.

A Austrália é um mercado particularmente importante para a Qatar Airways. Antes da pandemia de Covid-19, a empresa operava em seis cidades do país. No pior da crise, até se gabou de repatriar australianos em perigo, quando seus concorrentes suspenderam as ligações aéreas.

“Evitar a Qatar Airways”

Os australianos – especialmente as mulheres – certamente “vão evitar a Qatar Airways como uma peste”, disse Alex Oliver, director de investigação do instituto Lowy, de Sydney.

“É uma decisão chocante de um país que gastou milhares de milhões de dólares de dinheiro público para tentar dar a imagem de um Estado mais liberal”, avaliou.

O Qatar é regido pela lei islâmica, que pune com prisão mulheres que engravidam ou fazem sexo fora do casamento.

Os activistas há muito que defendem a descriminalização dos “casos de amor”, que envolvem mulheres, especialmente imigrantes, que engravidaram fora do casamento.

Estas mulheres geralmente dão à luz sem a ajuda de médicos, que são obrigados a notificar esses casos num país de 2,75 milhões de habitantes, onde 90 por cento da população é estrangeira.

O Qatar deveria “examinar a política que levou a este evento (o abandono do bebé) em primeiro lugar”, afirmou a ONG Human Rights Watch à AFP.

 “Traída”

Apesar do investimento feito na melhoria da imagem, não é a primeira vez que o Qatar vê a sua posição afectada. O país é regularmente criticado pelas condições de trabalho dos imigrantes, principalmente dos que foram contratados para trabalhar nos estaleiros de construção ligados ao Mundial de Futebol.

O país também é frequentemente criticado por financiar o jihadismo, apoiar a Irmandade Muçulmana e criminalizar a homossexualidade.

O governo do Qatar não reagiu ao incidente no aeroporto, apesar da reacção furiosa da Ministra dos Negócios Estrangeiros australiana, Marise Payne, que considerou o incidente de “extremamente perturbador, chocante, preocupante”.

A direcção do aeroporto não pediu desculpas, mas afirmou que o bebé está vivo e em tratamento: “As pessoas que tiveram acesso à área específica do Aeroporto onde o recém-nascido foi encontrado foram convidadas a auxiliar na investigação”, afirmou, num comunicado de imprensa.

Para Oliver, a reacção “tão dura e intransigente” contrasta com as ambições de um país que se preocupa principalmente com a sua imagem internacional: “Não consigo parar de pensar nas minhas filhas, se elas estivessem naquele avião”, disse à AFP uma expatriada que mora em Doha, que pediu anonimato por temer represálias. “Isto é algo que me deixa doente. Sinto-me traída pelo país onde moro”, acrescentou.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.