Poluição do ar pode contribuir para o aumento da mortalidade por Covid-19

A exposição a longo prazo à poluição atmosférica pode aumentar o risco de morte por Covid-19 em média em quinze por cento, de acordo com um estudo internacional publicado esta terça-feira pela revista especializada “Cardiovascular Research”.

A pesquisa avalia em que medida a poluição – que já causa mortes prematuras – poderia influenciar na mortalidade pelo novo coronavírus. Esta proporção seria de 19 por cento na Europa, 17 por cento na América do Norte e 27 por cento no leste da Ásia, de acordo com estimativas do professor Jos Lelievel, do Instituto Max Planck de Química em Mainz, Alemanha, e dos seus colegas.

A exposição à poluição atmosférica a longo prazo terá contribuído para 12 por cento das mortes por Covid-19 no Brasil, 29 por cento na República Checa, 27 por cento na China, 26 por cento na Alemanha, 22 por cento na Suíça, 21 por cento na Bélgica, 19 por cento na Holanda, 18 por cento na França, 15 por cento na Itália, 14 por cento no Reino Unido, 11 por cento em Portugal, 9 por cento na Espanha, 6 por cento em Israel, 3 por cento na Austrália e 1 por cento na Nova Zelândia.

Os investigadores usaram dados epidemiológicos anteriores dos Estados Unidos e da China sobre a poluição do ar e a Covid-19, bem como sobre a SARS, em  2003, doença semelhante ao novo coronavírus.

Para fazerem os cálculos, os cientistas combinaram dados de satélite da exposição a partículas finas contaminantes (PM2.5) e dados de redes de vigilância e contaminação do solo. Os autores não estabelecem uma relação directa de causa e efeito entre esta contaminação e a mortalidade pelo novo coronavírus

As partículas contaminantes parecem aumentar a actividade do receptor ACE-2, localizado na superfície das células e envolvido na forma como o novo coronavírus infecta os pacientes, segundo os investigadores: “A poluição do ar causa danos aos pulmões e aumenta a actividade do ACE-2, o que leva a uma absorção maior do vírus”, explicou o professor Thomas Munzel (Universidade Johannes Gutenberg, Mainz), um dos responsáveis pelo estudo.

“A transição para uma economia verde, com fontes de energia limpas e renováveis, favorecerá tanto o meio ambiente quanto a saúde pública a nível local, melhorando a qualidade do ar, e a nível mundial, limitando as mudanças climáticas”, afirmam os responsáveis pelo estudo.

Anna Hansell, professora de epidemiologia ambiental na Universidade de Leicester, considera “extremamente provável” a existência de um vínculo entre a poluição do ar e a mortalidade por Covid-19, mas considera “prematuro tentar quantificá-lo com precisão. Há muitos outros bons motivos para agir agora visando a reduzir a poluição do ar, que a OMS já associa a 7 milhões de mortes por ano em todo o mundo”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.