O que é ser patriótico em tempos de pandemia?

Ao longo destes meses temos verificado que a Direcção Geral de Saúde correu muitas vezes atrás do prejuízo. Não jogou na antecipação. Faltou coragem nas decisões .  Por outro lado , as afirmações precipitadas da responsável  pelo organismo no início da pandemia, foram simplesmente inoportunas e desastrosas. Eis alguns exemplos.

Jorge Sales Marques/Pediatra

 “Há baixíssima probabilidade de vírus em Portugal. A OMS está a exagerar um bocadinho.”

Apelo para que visitem os lares: sejam solidários.”

Não usem máscaras. As máscaras dão falsa sensação de segurança.

Nos aviões não é necessário distanciamento porque as pessoas só olham para a frente.”

O que nós queremos é que venham muitos estrangeiros.”

Estas afirmações não foram prudentes e ajudaram, de certo modo, a anestesiar as mentes do comum cidadão, convencendo-o de que a pandemia de Covid-19  não era para levar a sério.

Por outro lado, ao afirmar

É altura de deixarmos de pôr o país nas bocas do mundo, dizendo que a informação não é boa. Isso até nem é patriótico.”

Graça Freitas deixou-nos ainda, na comunidade médica, mais perplexos sobre o que pensa a Direcção Geral de Saúde sobre os colegas que querem, pura e simplesmente, colaborar na resolução de um problema que não é única e exclusivamente da Direcção Geral de Saúde ou do Governo: é do país, dos cidadãos, da população em geral e dos médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde, em particular. Todos nós , por sermos patrióticos, é que nos preocupamos com a evolução da pandemia em Portugal. A ausência de diálogo com as pessoas que também estudam o coronavírus e sabem como devem abordar o combate a um vírus que já afectou mais de 40 milhões de pessoas , é preocupante. Num momento crítico como este, ninguém deve assumir que tudo sabe e que outros são pouco patrióticos por quererem contribuir para a solução ou para o controlo da situação em que vivemos . 

Mas, a Direcção Geral de Saúde não é o único órgão que tem falhado, infelizmente. O representante do Conselho Nacional de Saúde Pública , afirmou recentemente que a situação pandémica em Portugal, na sua generalidade, não obriga ao uso de máscara em locais públicos. Foi o mesmo médico que afirmou no início da pandemia que a Covid-19 “ era menos perigosa que a gripe “ . 

Sabemos que a Covid-19 não é igual a gripe e o uso de máscara é fundamental neste período .Não é admissível que na Direcção Geral de Saúde e no Conselho Nacional de Saúde Pública, ainda haja elementos de topo a produzir este tipo de afirmações, quando a generalidade dos restantes colegas portugueses e estrangeiros dizem o contrário. Os  próprios médicos de outros países, com o apoio dos respectivos governos, assumem a gravidade da situação, tomando medidas sanitárias drásticas num momento que se afigura crítico . 

Tudo o que foi dito por mim e por todos os profissionais de saúde em relação a este tema, não é mais do  que uma expressão do nosso amor à Pátria. A dor na alma é enorme por vermos diariamente tantas asneiras que são cometidas no país que amamos incondicionalmente. 

Ouçam as pessoas: copiem os modelos de sucesso, aquilo que os outros fizeram bem. Não podemos ter neste momento um comportamento fechado , em que só nós é que sabemos e tomamos decisões. Abram as vossas portas de uma vez por todas a outros profissionais de saúde e às pessoas de outros quadrantes, porque nesta guerra, devemos estar todos juntos.

A união faz a força. Um velho ditado que os nossos responsáveis tardam a por em prática. O apanágio do “orgulhosamente sós” não serve para nada. Apenas para nos afundarmos cada vez mais no que parece ser o fundo do poço.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.