EUA. Senado confirma conservadora como nova juíza do Supremo Tribunal

É uma espécie de vitória pré-eleitoral para Trump e o Partido Republicano. O Senado dos Estados Unidos da América confirmou esta segunda-feira, oito dias antes das eleições presidenciais, a conservadora Amy Coney Barrett como a nova juíza do Supremo Tribunal.

Barrett, de 48 anos, foi confirmada por 52 votos a favor – todos de senadores republicanos- e 48 contra (todos os democratas e a republicana Susan Collins.

A confirmação de Barrett esta segunda-feira, no Senado, acontece depois de um apressado e polémico processo que começou no dia 18 de Setembro, com a morte da juíza progressista Ruth Bader Ginsburg aos 87 anos. Barrett foi nomeada por Trump no dia 26 de Setembro, antes mesmo do funeral de Ginsburg.

Como os republicanos bloquearam a confirmação de um juiz progressista no último ano do mandato de Barack Obama, não quiseram arriscar que uma possível vitória democrata nas eleições da próxima semana frustrasse os planos com Barrett.

Os republicanos aproveitaram o controlo do Governo e a maioria no Senado para aumentar a presença no Supremo Tribunal, que agora fica com seis juízes conservadores e três progressistas. Este equilíbrio deverá marcar o futuro do tribunal durante as próximas décadas, dado que os cargos são vitalícios.

Trump conseguiu confirmar três juízes para o Supremo Tribunal ao longo dos quatro anos de mandato: Neil Gorsuch, Brett Kavanaugh e, agora, Barrett.

Barrett terá que decidir se irá se abster de participar de quaisquer possíveis recursos ao Supremo Tribunal a respeito dos resultados eleitorais, assunto com o qual não se quis comprometer durante as audiências de confirmação, apesar de ter sido nomeada por um dos dois candidatos na corrida eleitoral, Trump.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.