Covid-19. França prepara-se para tomar “decisões difíceis”

A França está a preparar-se para tomar “decisões difíceis” para conter o avanço da epidemia de Covid-19 no país, enquanto os epidemiologistas pedem medidas mais estritas para conter a curva de contágios.

“Devemos preparar-nos para decisões difíceis”, afirmou na terça-feira o ministro do Interior, Gérald Darmanin, numa entrevista à rádio France Inter, pouco antes de uma reunião de gabinete dedicada à gestão da crise de saúde.

Dois terços dos franceses, ou seja, 46 milhões de pessoas já estão sob os efeitos de um toque de recolher obrigatório entre as 21H00 e 06H00, mas diante de aumento acelerado de casos o governo prepara novas restrições: “Não sei exactamente quais serão as decisões”, disse Darmanin, mas “em algum momento teremos que tomar decisões difíceis, como todos os nossos vizinhos europeus”, destacou. Darmanin referia-se às novas medidas contempladas na Itália, em Espanha ou na República Checa.

De acordo com parte da imprensa, o governo francês cogita ampliar o horário do do recolher obrigatório, possivelmente acompanhado de um confinamento domiciliar aos fins de semana, ou ordenar confinamentos localizados nas regiões mais afectadas, como Paris.

O primeiro-ministro Jean Castex tem uma reunião prevista com os líderes dos principais partidos políticos e os líderes sindicais do país na tarde de terça-feira, antes de um novo encontro com o presidente Emmanuel Macron na manhã de quarta-feira: “Prefiro confinamentos locais agora que um confinamento nacional no Natal”, disse Damien Abad, líder do principal partido de oposição de direita, Os Republicanos, numa entrevista à rádio France Info.

Na mesma linha, o presidente da principal organização patronal da França (MEDEF), Geoffroy Roux de Bézieux, advertiu que um segundo confinamento geral, como o imposto entre Março e Maio, provocaria “um colapso da economia”.

A França registou na segunda-feira 258 mortes por coronavírus em 24 horas e 357 internações em UCI’s

O número total de pessoas em Unidades de Cuidades Intensivos subiu para 2.761, quase metade da capacidade total do país, que é de 5.800, o que obrigou alguns hospitais a começar a transferir os pacientes para instalações menos lotadas.

O especialista em doenças infecciosas Gilles Pialoux pediu ao governo para decretar um novo confinamento em todo o país, apesar do custo económico da medida: “A economia pode ser recuperada, as perdas humanas não”, disse.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.