Visitas à Torre Eiffel caíram 80 por cento com a pandemia

O número de visitantes da Torre Eiffel em Paris, atingida pela crise de saúde, “caiu 80 por cento em relação a 2019 (…), e o volume de negócios, 70 por cento”, disse na sexta-feira à AFP Isabelle Esnous, directora de comunicação da empresa que administra o monumento.

O balanço da perda de visitantes da Torre Eiffel, devido à pandemia da covid-19, é muito significativo: “Dois mil e quinhentos visitantes por dia para um monumento com capacidade para 25.000”, afirmou o presidente da Sociedade de Exploração da Torre Eiffel (SETE), Jean-François Martins, à rede RTL.

“Desde a volta das férias, estamos entre 10 e 20 por cento da nossa frequência usual”, acrescentou.

Mesmo que o início do intervalo do Outono, também conhecido como as férias de  Todos os Santos, tenha produzido um pequeno aumento, “mantém-se muito abaixo das médias anteriores”, disse ele.

As medidas restritivas que acompanham a crise de saúde na França causaram esse declínio. Além do distanciamento físico que obriga os elevadores da Torre a funcionarem com metade de sua capacidade, agora há um toque de recolher que impede o habitual encerramento da estrutura à meia-noite nos finais de semana.

É, no entanto, especialmente a ausência de turistas que prejudica os números, porque o monumento recebem, em condições normais, “de 80 a 85 por cento dos estrangeiros”, disse Isabelle Esnous.

A clientela actual é “local”: “parisienses, da região parisiense [em torno de Paris] e franceses”, afirma Martins, que já foi responsável pelo sector de turismo na Mairie da capital francesa.

A empresa operadora do monumento decidiu, então, mudar sua estratégia.

“Estamos a concentrar esforços na população local (…) em busca de mais passeios em família”, explica a directora de comunicação.

No primeiro andar da Torre, foi planeado um passeio para que as crianças conheçam a história do monumento e, em breve, será lançado “um grande jogo de caça às pistas”, completou.

É “o melhor momento para se redescobrir a Torre”, garantiu o presidente da SETE.

Com a queda no atendimento, não é necessário fazer fila para ter acesso à Torre  e “a visita é mais confortável”, confirma Isabelle Esnous.

A SETE também aproveita o período para realizar trabalhos de pintura e manutenção dos elevadores “para melhorar a qualidade da visita, para quando mais visitantes chegarem”, contou Jean-François Martins: “Estamos ansiosos para que chegue 2024, os Jogos Olímpicos e o lugar central que a Torre ocupará para o evento”, completou.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.