Venezuela. Danos em petroleiro geram receios de desastre ambiental

Os danos sofridos por um petroleiro nas Caraíbas poderão provocar “um desastre ambiental” se não forem retirados mais de um milhão de barris de petróleo que se encontram dentro da embarcação, denunciam dirigentes da oposição venezuelana e sindicalistas do sector do petróleo.

Fotos do navio Nabarima adernado, com vários metros da sua linha de flutuação afundados no mar, geraram preocupação depois de terem sido divulgadas na semana passada por uma organização ambientalista nas redes sociais.

A estatal PDVSA, no entanto, negou previamente que as condições do navio possam representar “uma ameaça para o ecossistema da região”.

A embarcação, com 264 metros de comprimento – uma unidade de armazenamento no mar para carregar petroleiros – está no Golfo de Paria (estado de Sucre, oeste), nas águas da Venezuela, perto de Trinidad e Tobago.

“Se o petróleo não for transvasado, embora possam estabilizar o Nabarima, vai haver permanentemente o risco de um desastre ambiental”, declarou na quarta-feira à AFP o parlamentar da oposição Robert Alcalá, que assegura que a manutenção do navio foi abandonada em 2014.

O Nabarima pertence à Petrosucre, empresa mista, com 74 por cento de acções da PDVSA e 26 por cento da companhia italiana Eni S.p.A.

Duas embarcações, Ícaro e Inmaculada, terão sido enviadas ao local pela PDVSA, supostamente para descarregar o petróleo armazenado, disse à AFP outro deputado da oposição ao governo de Nicolás Maduro, Luis Stefanelli. A informação não foi confirmada pela empresa estatal. Desde há vários meses que a situação do Nabarima é alvo de denúncias.

O sindicalista do sector do petróleo Eudis Girot disse à AFP na quarta-feira que os problemas de manutenção no navio começaram em 2014, mas “foram ignorados” pela PDVSA. A 12 de Agosto, um grupo de trabalhadores denunciou que o navio tinha uma inclinação de 8 por cento, que a sala das máquinas estava inundada e que as bombas para retirada de água estavam  queimadas.

No entanto, em Setembro, um comunicado da PDVSA qualificou os alertas de “fake news: “Este navio-tanque possui todas as condições operacionais e de segurança e não constitui, de forma alguma, ameaça ao ecossistema”, disse.

Segundo Girot, PDVSA e Eni alegam que as sanções financeiras impostas pelos Estados Unidos à Venezuela e à sua petrolífera têm criado obstáculos à operação de transvase do petróleo: “Não há desculpas para que este petróleo permaneça no Nabarima, as sanções não podem ser desculpas. O petróleo tem que ser tirado dali para evitar uma tragédia”, defendeu o dirigente sindical.

As denúncias de danos ambientais por falta de manutenção de instalações são frequentes, dado o colapso da indústria petrolífera da Venezuela.

A costa oeste do país foi afectada em Agosto, Setembro e Outubro por derrames de hidrocarbonetos em dois dos seus principais centros de refinação de combustíveis, Paraguaná (estado de Falcón) e El Palito (Carabobo), que o governo socialista tenta reactivar devido a uma severa escassez de gasolina.

A produção de petróleo na Venezuela passou de 3,2 milhões de barris por dia há 12 anos para 400.000 barris na actualidade.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.