Trump-Biden. Até que enfim, o debate

Depois de um primeiro debate marcado por interrupções constantes e por uma interacção caótica, o presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, e o candidato do Partido Democrata às eleições presidenciais de 3 de Novembro, Joe Biden, conseguiram esta madrugada finalmente mostrar os seus pontos de vista discordantes em temas-chave de forma mais clara. O debate decorreu sem turbulências, ainda que os dois candidatos não tenham deixado de se atacar.

No auditório da Universidade Belmont, em Nashville, no estado do Tennessee, Trump e Biden debateram pela segunda e última vez antes das eleições. O confronto de ideias devia ter sido o terceiro, mas o que estava previsto para 15 de Outubro em Miami, na Flórida, acabou por ser cancelado depois do presidente norte-americano contrair Covid-19 e se recusar a realizá-lo de forma virtual.

Já o primeiro – e polémico- debate aconteceu a 29 de Setembro na cidade de Cleveland, no Ohio. Desta vez, com a possibilidade de terem os microfones cortados caso interrompessem o adversário, os dois concorrentes conseguiram apresentar visões e propostas sobre política internacional, economia, racismo, pandemia e migração, colocando-se sempre em campos nitidamente opostos.

Separação de famílias migrantes: uma ferida aberta

“Mais de 500 crianças vieram (para os EUA) com os seus pais. Foram separadas deles na fronteira para desencorajá-los a vir primeiro”, disse Biden.

O  antigo vice-presidente no governo de Barack Obama (2009 a 2017) referiu-se a notícias divulgadas esta semana de que, mais de dois anos após a implementação da política de separação das famílias de imigrantes ilegais na fronteira com o México, os advogados envolvidos no caso ainda não conseguiram localizar os pais de pelo menos 545 menores: “É algo criminoso (…) Faz de nós motivo de riso no mundo  inteiro e viola qualquer conceito de quem somos como nação”, disse Biden.

Trump, por sua vez, afirmou que o seu governo está “a tentar” localizar os pais desses menores, embora não seja garantido que de facto o esteja; aqueles que o fazem são advogados e grupos de direitos humanos seleccionados por um tribunal: “Estamos a trata-los tão bem, estão em instalações tão limpas”, disse Trump sobre os menores separados dos seus pais.

O presidente norte-americano também defendeu que “as crianças foram trazidas por coiotes (pessoas que levam migrantes ilegalmente para os EUA) e por muita gente má”, algo que Biden imediatamente negou, alegando que estavam “com os seus pais”.

“Quem construiu as jaulas, Joe?”

Numa tentativa de se defender, Trump tentou criticar as políticas de imigração do governo Obama: “Quem construiu as jaulas, Joe? Vamos falar sobre quem construiu as jaulas”, afirmou o actual presidente, referindo-se a como têm sido comparadas as instalações onde imigrantes ilegais menores de idade têm sido mantidos pelas autoridades americanas.

Um outro assunto no qual os candidatos mostraram profundas discrepâncias foi a gestão da pandemia. Trump quis fazer uso da sua experiência após contrair Covid-19: “Estou imune, cada vez mais pessoas estão a recuperar”, alegou o presidente, que anunciou ter contraído a doença dois dias após o primeiro debate com Biden.

“Está a ir embora e, como digo, estamos a virar a esquina. Está a ir”, disse.

O receio de um “Inverno sombrio”

Trump também defendeu que uma vacina para a covid-19 estará disponível em breve: “Penso (que haverá uma vacina) em semanas, e será distribuída muito rapidamente (…) Está pronta”, declarou.

Questionado pela moderadora do debate, Kristen Welker, do canal NBC News, o presidente americano reconheceu que não tem “garantia” de que a vacina será distribuída dentro desse prazo, mas imediatamente frisou acreditar que chegará “antes do final do ano”, apesar do facto de que muitos cientistas preverem a sua aplicação em ampla escala apenas em meados de 2021.

Biden, por sua vez, previu um cenário difícil com Trump no poder e disse que “quem quer que seja responsável por tantas mortes não deve permanecer presidente”, referindo-se às mais de 222 mil mortes nos Estados Unidos da América por Covid-19: “Estamos prestes a entrar num inverno sombrio, e não tem um plano claro (para combater a Covid-19)”, disse o candidato democrata.

“A pessoa menos racista”

Biden e Trump aproveitaram o segmento do debate dedicado ao racismo para se acusarem mutuamente de terem causado mais danos à comunidade negra nos Estados Unidos da América.

Trump lembrou que o seu adversário foi a força motriz por trás de uma lei anticrime de 1994 no Senado que colocou milhares de pessoas negras atrás das grades. Trump disse ainda que aprovou um projecto de reforma no sentido contrário pouco depois de chegar ao poder.

O presidente americano também alegou ter sido o ocupante do cargo que mais fez pela comunidade negra na história dos EUA, com a possível excepção de Abraham Lincoln, que aboliu a escravatura em 1863: “Acho que tenho óptimos relacionamentos com todos, sou a pessoa menos racista nesta sala”, afirmou.

Biden, por sua vez, lembrou o historial de comentários racistas de Trump e lembrou que em 1989 defendeu a pena de morte para um grupo de adolescentes negros conhecidos como “Central Park Five”, que foram acusados de um crime que não cometeram.

Trump, no entanto, deu uma volta ao discurso sobre o racismo nesta parte do debate para enfatizar novamente as suas acusações contra Biden de ter usado a sua posição política para receber dinheiro de governos estrangeiros directa ou indirectamente: “Se tudo isso for verdade, ele é um político corrupto”, acusou Trump, argumentando que Biden recebeu pagamentos de países como a China, a Rússia, a Ucrânia e o Iraque que podiam render vantagens políticas e influências: “Isso é um monte de porcaria”, respondeu o candidato democrata, que tinha negado todas essas acusações minutos antes.

Trump  disse então que Biden estava a fazer-se passar por um “bebé inocente”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.