Espanha é o primeiro país europeu a superar um milhão de casos de Covid-19

A Espanha tornou-se , na quarta-feira, o primeiro país da União Europeia a exceder um milhão de infecções por Covid-19 relatadas, de acordo com dados oficiais, enquanto o governo estuda novas medidas para impedir a propagação da pandemia.

O país registou 16.973 casos nas últimas 24 horas, de acordo com a última contagem do Ministério da Saúde, que elevou o total para 1.005.295 desde que o primeiro caso foi diagnosticado em 31 de Janeiro na ilha de La Gomera, no arquipélago das Canárias.

O número de mortes subiu para 34.366, 156 delas contabilizadas nas últimas 24 horas, informou o Ministério.

A Espanha, com 47 milhões de habitantes, é o sexto país do mundo a superar a barreira de um milhão de casos. Os outros cinco são os Estados Unidos, a Índia, o Brasil, a Rússia e a Argentina, de acordo com uma contagem da AFP baseada em números oficiais.

Com mais jovens infectados, esta segunda onda da pandemia está a ser menos letal na Espanha do que a primeira, que atingiu o seu clímax entre o final de Março e o início de Abril, com cerca de 800 mortes por dia. No entanto, especialistas de saúde alertam que alguns hospitais podem entrar em colapso novamente.

O ministro da Saúde, Salvador Illa, afirmou na terça-feira que o governo está a avaliar várias medidas, incluindo um toque de recolher obrigatório, uma medida tomada na França, na Bélgica, na Eslovénia e em duas regiões da Itália.

“Semanas muito duras virão”

“Semanas muito duras virão, o inverno está a chegar, a segunda vaga já não é uma ameaça, é uma realidade em toda a Europa”, advertiu Illa, afirmando que o governo está “aberto a todas as abordagens possíveis” contra o novo coronavírus.

O ministro da Saúde vai reunir-se esta quinta-feira com representantes das regiões autónomas, que têm responsabilidades na área da saúde pública, para actualizar o plano anti-covid.

A Espanha foi um dos países mais atingidos pela primeira vaga da pandemia, até aplicar um dos mais rígidos confinamentos da Europa entre Março e Junho e controlar as infecções.

Os casos voltaram a multiplicar-se a partir de Julho, com as autoridades a tentarem salvar a temporada de turismo, um dos motores da economia espanhola, o rápido retorno à vida social e nocturna, e problemas no sistema de rastreamento de infectados, de acordo com os especialistas.

Desentendimentos entre as administrações central e regional, e entre os partidos políticos, sobre o alcance das medidas a serem aplicadas face à recuperação económica também prejudicaram a resposta, defenderam os especialistas.

Confinamento desperdiçado

À medida que as infecções aumentam, as regiões aplicam medidas de alcance variado para as deter.

Madrid e áreas periféricas foram confinadas desde o início de Outubro, enquanto que a Catalunha impôs o encerramento de bares e restaurantes por 15 dias.

Perto do Aeroporto Internacional de Madrid, vários guindastes estão a trabalhar incansavelmente na construção de um novo hospital para a pandemia, com inauguração prevista para Novembro.

Neste momento, os hospitais não estão a ser tão procurados como na primeira onda, mas os esforços de confinamento na Primavera foram perdidos devido à falta de preparação para esta segunda onda, lamentou Ángela Hernández Puente, secretária adjunta da associação médica Madrid Amtys.

Como os contágios caíram no Verão, “acho que eles pensaram que estava tudo acabado, que não haveria mais, quando era a hora de se preparar”, disse Hernández Puente, criticando a falta de contratação de pessoal de saúde.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.