China anuncia renovação de acordo com o Vaticano por mais dois anos

A República Popular da China anunciou esta quinta-feira a renovação por dois anos de um acordo provisório assinado com o Vaticano em Setembro de 2018 sobre a nomeação dos bispos, tema que provoca mal-estar entre a Igreja e o governo chinês há várias décadas.

“O acordo foi prorrogado por mais dois anos”, afirmou à imprensa o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Zhao Lijan.

Pequim e o Vaticano assinaram em Setembro de 2018 um acordo provisório e renovável que pretendia acabar com quase 70 anos de tensões pela delicada questão da nomeação dos bispos.

Os 12 milhões de católicos da República Popular da China estão divididos entre uma igreja clandestina, denominada de ‘subterrânea’, que só reconhece a autoridade do Papa, e a igreja “oficial”, submetida ao regime comunista.

Com o acordo de 2018, o papa Francisco reconheceu oito bispos nomeados por Pequim sem a sua aprovação e as autoridades chinesas reconheceram dois ex-bispos da igreja clandestina.

Mas as concessões feitas pelo Vaticano não facilitaram a vida dos cristãos da igreja clandestina chinesa, que representa quase seis milhões de fiéis.

Os católicos, assim como os fiéis de outras religiões, sofrem com a política  onipresente do regime chinês, que implica a destruição de templos ou de cruzes posicionadas no topo dos edifícios, assim como o encerramento de escolas consideradas religiosas.

Apesar das dificuldades, o pontífice deseja restabelecer as relações com o regime comunista, rompidas em 1951, e expressou o “sonho” de visitar o país asiático, ao qual o catolicismo chegou no século XVI, graças fundamentalmente a missionários jesuítas.

A China e Vaticano “continuarão a dialogar (…) e a avançar com o processo de melhoraria das suas relações”, afirmou Zhao.

Para complicar ainda mais o cenário, o Vaticano está entre os 15 Estados do mundo que reconhecem o governo de Taiwan, ilha dirigida por autoridades antagónicas a Pequim desde 1949 e sobre a qual a China reivindica a sua soberania.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.