França. Milhares na rua em homenagem a professor decapitado

Dezenas de milhares de pessoas manifestaram-se em França, este domingo, em homenagem ao professor Samuel Paty, que foi decapitado na sexta-feira por ter mostrado aos seus alunos caricaturas do profeta Maomé, um ataque extremista que chocou o país. O atentado levou o governo a anunciar medidas contra a propaganda islamita.

Em Paris, os manifestantes reuniram-se na emblemática Praça da República, epicentro da grande marcha – em 11 de Janeiro de 2015 -, após os ataques extremistas contra o semanário satírico Charlie Hebdo e um supermercado de produtos kosher.

Os manifestantes homenagearam Samuel Paty, com faixas com frases como “Je suis prof” (“Eu sou um professor”), “Não ao totalitarismo do pensamento” e “Liberdade de expressão, liberdade para ensinar”.

Homenagens similares também ocorreram em outras grandes cidades francesas, como Lille (norte), Lyon (leste) e Nice (sudeste).

Vários líderes dos principais partidos políticos estiveram presentes na homenagem em Paris: o primeiro-ministro Jean Castex; a presidente da Câmara socialista da capital, Anne Hidalgo; a presidente de direita da região parisiense, Valérie Pécresse e o líder da esquerda radical, Jean-Luc Mélenchon.

O socialista François Hollande, antigo presidente da República, também participou na manifestação: “Não temos medo. Não temos medo. Eles não nos vão dividir. Nós somos a França!”, escreveu Castex num tweet com imagens do evento.

Alguns dos presentes carregavam faixas com as caricaturas de Maomé publicadas pelo semanário satírico Charlie Hebdo, ao mesmo tempo que entoavam o hino nacional francês.

Plano de acção contra a propaganda

O presidente francês Emmanuel Macron ordenou nesta domingo que “acções concretas” sejam tomadas rapidamente contra a propaganda islâmica radical espalhada pela internet: “Actuemos rapidamente e não demos trégua aos que se organizam para se opor à ordem republicana”, disse o presidente, durante uma reunião realizada com seis ministros e o procurador antiterrorista, Jean-François Ricard.

O chefe de Estado planeia fortalecer a segurança das escolas e os seus arredores até 2 de Novembro, quando os alunos devem voltar às salas de aula após as férias.

Além disso, um plano será activado esta semana “contra as estruturas, associações ou pessoas próximas a círculos radicalizados” que propagam apelos ao ódio, especificou a presidência.

Macron também decidiu agir imediatamente contra aqueles que expressaram a sua aprovação ao ataque nas redes sociais.

Desde sexta-feira, as forças de segurança “identificaram 80 mensagens que apoiam a acção do agressor. Amanhã [segunda-feira] darão lugar a procedimentos concluídos pela polícia ou pela gendarmeria”, informou o Eliseu.

Homenagem nacional

Na tarde de sexta-feira, Samuel Paty, um professor e pai de família de 47 anos, foi decapitado próximo à escola onde lecionava história e geografia, num bairro tranquilo de Conflans Sainte-Honorine, a 30 quilómetros de Paris. O agressor, um homem de 18 anos, foi morto pela polícia.

O assassinato chocou profundamente o país, três semanas depois de um ataque islâmico, no qual um paquistanês feriu duas pessoas com uma faca em frente às antigas instalações do jornal Charlie Hebdo. As investidas decorrem num altura em que em França se discute o separatismo religioso.

No sábado, em Conflans Sainte-Honorine, cerca de mil pais, políticos locais eleitos e cidadãos anónimos reuniram-se  frente à escola onde trabalhava este dedicado professor que era bem próximo dos seus alunos, de acordo com vários testemunhos.

Os alunos também pareciam muito afectados pela perda, como Marie, que foi para o antigo colégio para colocar algumas flores em “homenagem ao seu antigo professor”: “Lembro-me da aula dele sobre liberdade de expressão. Conversámos sobre Charlie, fizemos alguns desenhos que ainda estão pendurados”, explicou a jovem.

De acordo com o Palácio do Eliseu, na quarta-feira, será realizada uma homenagem nacional que contará com a família do professor assassinado, sem especificar o local.

De acordo com o procurador anti-terrorista Jean-François Ricard, o professor de história organizou um debate com os seus alunos para a matéria de educação cívica, durante o qual exibiu ilustrações do profeta Maomé.

Antes, o professor teria convidado os alunos que não quisessem participar a retirarem-se da sala de aula.

No total, 11 pessoas foram detidas desde sexta-feira, principalmente os pais, avô e irmão mais novo do agressor, entre outros.

Um conselho de defesa, presidido por Macron, reuniu-se no final da tarde deste domingo para discutir a ameaça extremista.

Iniciada em 2015, a onda de ataques extremistas na França já regista 259 mortes.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.