Assessor de Trump aconselha Taiwan a fortalecer-se contra eventual investida chinesa

Um assessor do governo dos Estados Unidos da América recomendou esta sexta-feira que Taiwan “se fortaleça” para se proteger de uma eventual invasão da República Popular da China, embora considere improvável que isso aconteça nos próximos “10 ou 15 anos”.

“Não acho que os chineses queiram ou estejam preparados agora para um desembarque anfíbio em Taiwan”, disse o assessor de segurança nacional da Casa Branca, Robert O’Brien.

“Acho que hoje seria uma operação militar muito difícil para os chineses”, acrescentou o responsável durante uma conferência online organizada pelo centro de investigação Aspen Institute.

“Talvez daqui a 10 ou a 15 anos eles estejam melhor preparados para isso”, disse ele, enfatizando que a China está a desenvolver a sua marinha em alta velocidade.

No entanto, O’Brien recomendou que Taiwan “comece a pensar em estratégias assimétricas de bloqueio de acesso (…) e se fortaleça de forma a desencorajar a China de lançar qualquer tipo de invasão anfíbia”.

O assessor de Donald Trump analisou extensivamente a situação em Taiwan, que a China considera parte de seu território.

A ONU não reconhece Taiwan como um Estado independente e Pequim regularmente ameaça usar a força no caso de uma proclamação formal da independência em Taipé ou de uma intervenção externa, especialmente dos Estados Unidos da América.

Observando que a China “apontou uma quantidade enorme de mísseis” contra a ilha, ele estimou que Pequim poderia “aniquilar” Taiwan com um ataque. “Mas não vejo o que Pequim ganharia com isso”, acrescentou.

Além disso, O’Brien observou que Pequim deveria considerar a possibilidade de os Estados Unidos da América defenderem militarmente Taiwan no caso de uma tentativa de invasão: “Temos muitas ferramentas à nossa disposição”, afirmou. “Se estivéssemos envolvidos, essas ferramentas tornariam essa tentativa muito perigosa para a República Popular da China”, alertou.

Washington rompeu relações diplomáticas com Taipé em 1979 para reconhecer Pequim, mas  continua a ser o aliado mais poderoso da ilha e o seu principal fornecedor de armas.

Na quarta-feira, um navio de guerra dos Estados Unidos da América cruzou o estreito de Taiwan, disse a Marinha dos EUA, arriscando-se a irritar a China, que reivindica soberania sobre aquela via marítima.

Zhang Chunhui, porta-voz do Exército Chinês, comentou a decisão na quinta-feira: “Os Estados Unidos enviaram recentemente vários sinais indesejáveis aos promotores da ‘independência de Taiwan’. Advertimos os Estados Unidos: parem de qualquer palavra ou acto que implique a problemas na região”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.