Espanha. Prémio Planeta para Eva García Sáenz de Urturi

A escritora espanhola Eva García Sáenz de Urturi, autora de romances policiais e conhecida pela “Trilogia da Cidade Branca”- um autêntico sucesso de mercado – recebeu na quinta-feira o prémio Planeta de melhor romance inédito, com a sua nova obra “Aquitania”, um thriller medieval de natureza histórica.

“Bastou uma decisão para mudarem minha vida”, disse a autora de 48 anos na cerimónia realizada em Barcelona, ao agradecer ao júri pelo prémio, no valor de 601 mil euros.

Nos últimos anos, com a própria editora Planeta, Saénz de Urturi tornou-se uma das autoras mais conhecidas de Espanha graças à “Trilogia da Cidade Branca”.

Publicados entre 2016 e 2018, os três livros sobre assassinatos em série e mulheres cheias de coragem que têm como pano de fundo o País Basco, a sua terra natal, venderam mais de um milhão de cópias. No Brasil, o primeiro volume saiu pela editora Intrínseca em 2020.

No sétimo romance da sua carreira, Sáenz de Urturi decidiu mergulhar num “thriller medieval” com “Aquitania”, centrado na personagem histórica Leonor de Aquitânia, uma mulher lendária que no século XII foi rainha de França e depois de Inglaterra, duas potências antagónicas na época.

Sáenz de Urturi disse à imprensa que se interessou pela figura de Leonor da Aquitânia ao estudar elementos históricos para o seu penúltimo romance: “Apaixonei-me pela personagem”, a “primeira mulher que decidiu separar-se do marido, o rei da França, alegando consanguinidade”, contou a vencedora, que disse ter misturado factos históricos e “criatividade”.

O segundo lugar do prémio foi atribuído à apresentadora de televisão espanhola Sandra Barneda, 45, com o romance “Un océano para llegar a ti” (Um oceano para chegar até ti, em tradução livre). Barneda arrecadou um prémio de 150.250 euros (176 mil dólares).

A cerimônia foi realizada no Palácio da Música, em Barcelona, em formato reduzido, com pouco mais de 100 pessoas, devido à pandemia do novo coronavírus.

O prémio Planeta, o mais importante prémio literário para obras em língua espanhola, costuma servir de trampolim para multiplicar as vendas de autores já conhecidos. Este ano, concorreram 582 manuscritos, muitos deles submetidos sob pseudónimo, e enviados da América Latina, Espanha e Estados Unidos. Foram selecionados dez finalistas.

A história do prémio inclui vencedores do Prémio Nobel de Literatura entre seus vencedores, como o peruano Mario Vargas Llosa e o espanhol Camilo José Cela, além de outros escritores de prestígio, como Eduardo Mendoza, Antonio Muñoz Molina, Soledad Puértolas, Maruja Torres, Juan Marsé e Jorge Semprún.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.