Covid-19. Pfizer quer lançar vacina no final de Novembro

A gigante farmacêutica norte-americana Pfizer anunciou, na sexta-feira, que planeia solicitar uma autorização de emergência para a sua vacina contra a covid-19 no final de Novembro, duas semanas após as eleições presidenciais nos Estados Unidos da América.

“Permitam que seja claro:  supondo que os dados sejam positivos, a Pfizer solicitará uma autorização de uso de emergência nos Estados Unidos pouco depois do fim da etapa de segurança, na terceira semana de Novembro”, afirma Albert Bourla,  director executivo do grupo, numa carta aberta publicada nas redes sociais.

Após este anúncio, as acções da empresa ganharam mais de 2 por cento no mercado electrínico antes da abertura da bolsa.

Desta maneira, os Estados Unidos podem ter duas vacinas prontas até o final do ano, se os testes clínicos em andamento forem bem-sucedidos e se a Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA) autorizar a sua distribuição. A Moderna também acredita que terá a vacina pronta no final de Novembro.

O presidente Donald Trump, que procura a eleição para um segundo mandato, afirmou que uma vacina poderia estar disponível antes das eleições de 3 de Novembro.

A Pfizer atendeu ao pedido da FDA na semana passada para que os as empresas de produção de vacinas esperem dois meses após a segunda dose ser injectada em participantes dos ensaios clínicos para monitorização de possíveis efeitos colaterais graves.

Por outro lado, a Pfizer – sócia da empresa alemã BioNTech – poderá obter resultados sobre a eficácia da vacina nas próximas duas semanas através dos resultados dos testes actualmente em andamento, nos quais participam 30.000 pessoas, afirmou o diretor da empresa: “Poderíamos saber se a nossa vacina é eficaz ou não no final de Outubro”, escreveu Albert Bourla.

A FDA estabelece três condições para a aprovação de uma vacina: que seja eficaz, que seja segura e que a empresa seja capaz de a produzir em larga escala.

A Pfizer espera cumprir com os três requisitos na terceira semana de Novembro, ou seja, dentro de um mês. Já a Moderna espera fazer o mesmo até 25 de  Novembro.

Ambas as empresas, financiadas pelo governo dos Estados Unidos, iniciaram a fase 3 de seus testes clínicos ao mesmo tempo no final de Julho, e também começaram a produção de doses como medida de precaução, com o objectivo de entregar várias dezenas de milhões de doses nos Estados Unidos antes do final do ano, caso recebam a autorização da FDA.

A instituição, que prometeu seguir os procedimentos científicos padrões e não deixar que a pressão política interfira, é a responsável por aprovar ou não a vacina e decidir que camadas da população serão tidas como principais candidatas  à vacinação.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.