Japão. Supercomputador demonstra que humidade afecta disseminação do coronavírus

Um supercomputador japonês demonstrou que a humidade pode ter um efeito grande na dispersão de partículas de vírus, sublinhando o risco acentuado de contágio de coronavírus em ambientes fechados e secos durante os meses de Inverno.

A descoberta leva a crer que o uso de humidificadores pode ajudar a limitar as infecções quando a ventilação com janelas não é possível, de acordo com um estudo divulgado na terça-feira pela gigante da investigação científica Riken e pela Universidade de Kobe.

Os investigadores usaram o supercomputador Fugaku para simular a emissão e o fluxo de partículas semelhantes às de vírus de pessoas infectadas numa variedade de ambientes fechados.

Uma humidade do ar inferior a 30 por cento resultou em mais do que o dobro da quantidade de partículas transmitidas pelo ar quando comparada a níveis de 60 por cento ou mais, mostraram as simulações.

O estudo também indicou que escudos faciais transparentes não são tão eficazes quanto as máscaras para evitar a disseminação de aerossóis. Outras descobertas revelaram que os frequentadores de restaurantes estão mais expostos às pessoas ao lado do que aquelas que se sentam na mesma mesa. O número de cantores em grupos corais, dizem os investigadores, deveriam ser limitado e estar sujeito a estratégias de distanciamento físico.

Entre especialista de saúde, é cada vez maior o consenso de que o vírus da Covid-19 se pode espalhar pelo ar. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) reviu as suas directrizes este mês e disse que o patógeno pode permanecer no ar durante horas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.