Escócia. Apoio à independência alcança nível recorde

Uma maioria sem precedentes de 58 por cento dos escoceses seria a favor da independência desta região de 5,5 milhões de pessoas do Reino Unido, de acordo com uma sondagem divulgada esta quarta-feira pelo gabinete Ipsos Mori.

Realizada entre 2 e 9 de Outubro com o contributo de 1.045 escoceses, a sondagem mostrou que, uma vez descartados os indecisos, apenas 42 por cento dos entrevistados apoiam a permanência no Reino Unido.

Na faixa etária dos 16 aos 44 anos, mais de 60 por cento dos entrevistados disseram que votariam pela independência, se um referendo fosse realizado.

A sondagem também mostrou que o Partido Nacionalista Escocês (SNP) desfruta de um apoio público “muito forte”, com 72 por cento de aprovação para a sua líder, a primeira-ministra Nicola Sturgeon, elogiada pela sua gestão da pandemia do coronavírus.

O SNP, que chefia o governo autónomo escocês, com poderes ao nível daeducação e da saúde, entre outros, poderia, assim, ganhar muito mais cadeiras no Parlamento de Edimburgo nas legislativas regionais em Maio: “Se o SNP conquistar uma maioria absoluta nas eleições do próximo ano, a nossa sondagem sugere que haverá uma pressão pública significativa para que o governo central britânico transfira os poderes necessários para organizar um segundo referendo sobre a independência”, considerou Emily Gray, do Ipsos Mori Scotland.

A Escócia realizou um referendo de independência em 2014, no qual 55 por cento dos escoceses votaram pela permanência no Reino Unido.

O principal argumento contra a separação era o risco de ficar de fora da União Europeia.

Paradoxalmente, após a vitória do Brexit em outro referendo dois anos depois, a Escócia acabou por ser arrastada para fora do bloco com o restante do Reino Unido, apesar de ter rejeitado amplamente essa opção.

Argumentando que isso mudava a situação, Sturgeon prometeu definir antes do final de sua legislatura os termos e a data de um segundo referendo. O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, opõe-se veementemente à nova consulta.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.