Amanaci, a onça do Pantanal a quem o fogo roubou as garras

A onça-pintada Amanaci não sabe se poderá voltar a vaguear livremente pelo Pantanal brasileiro, como fazia até que os incêndios que devoraram parcialmente este paraíso de biodiversidade a deixaram gravemente ferida. O felino sofreu queimaduras intensas nas quatro patacas.

Esta fêmea, espécime do maior felino das Américas, foi encontrada há quase dois meses escondida num galinheiro em Poconé, no estado brasileiro do Mato Grosso, onde se refugiou do fogo. Logo depois, foi transferida para o Instituto Nex, uma organização não-governamental especializada na preservação da espécie situada a cem 100 quilómetros de Brasília e a mil do seu habitat natural.

Desde então, tornou-se símbolo da destruição provocada pelos piores incêndios já registados na maior área zona húmida do planeta. Agora, o animal está a recuperar, graças a um tratamento com células-estaminais. De acordo com veterinários, a técnica acelerou bastante a cicatrização das suas patas, que apresentavam queimaduras de terceiro grau.

“O caso da Amanaci foi muito impactante para nós. As feridas eram horríveis, ela estava com os ossos expostos. Hoje, olhamos para ela e dizemos que está linda, porque na verdade ela  reagiu muito bem ao tratamento com células-estaminais”, disse à AFP Cristina Gianni, fundadora do Instituto Nex, no município de Corumbá de Goiás, no coração do Cerrado.

No domingo passado, os veterinários tiraram o animal sedado da sua jaula e colocaram o seu corpo inerte numa maca. Cobriram-lhe os olhos com uma venda e removeram o curativo das suas patas para limpar e curar as suas feridas, ainda em carne viva: “A gente começou a aplicação de células-estaminais justamente para estimular o crescimento do tecido, o crescimento das células e da pele para acelerar a cicatrização. Desde então, ela tem vindo a responder muito bem ao tratamento. Ela tem-se alimentado muito bem, ganhou peso, está bastante activa”, relatou o veterinário Thiago Luczinski.

Sem mostrar as garras

Apesar das melhorias, é improvável que Amanaci, que na língua tupi-guarani significa “Deusa da Chuva”, regresse ao Pantanal: as chamas queimaram os tendões que lhe permitem expor as garras.

“Se ela voltar para a vida livre, vai ser um pouco prejudicada por causa da ausência dessa função [de expor as garras]. Então,  ainda vamos ter que ponderar muito bem se ela volta ou não, mas a hipótese e de ela ficar [em cativeiro], é bastante grande”, acrescentou o veterinário da organização não-governamental que actualmente abriga 23 felinos resgatados.

Entre eles, está Ousado, uma outra onça que chegou há um mês do Pantanal com queimaduras de segundo grau também nas patas. Depois de curado com terapia de ozono, deverá ser liberado em breve.

Em 2020, os incêndios devoraram 23 por cento da parte brasileira deste ecossistema que se estende até ao Paraguai e à Bolívia.

As imagens de paisagens reduzidas a cinzas e de cadáveres de animais carbonizados horrorizaram o mundo e geraram críticas ao governo de Jair Bolsonaro. Especialistas e ONGs ambientalistas culpam o presidente pelo aumento do desmatamento e pelas queimadas na Amazónia e no Pantanal devido ao seu discurso a favor das actividades de agropecuária e de mineração em áreas protegidas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.