Jovem apanhou Covid-19 duas vezes. É o quinto caso no mundo

Um cidadão norte-americano foi infectado duas vezes pelo novo coronavírus com um mês e meio de intervalo e a segunda infecção foi mais grave que a primeira, de acordo com um estudo divulgado na terça-feira que detalha o caso de reinfecção, um dos cinco registados até agora no mundo.

“Ainda há grande ignorância sobre as infecções por SARS-CoV-2 e a resposta do sistema imunológico, mas o nosso trabalho mostra que uma infecção anterior não protege necessariamente contra uma infecção futura”, defende Mark Pandori, principal autor do estudo publicado no Jornal médico Lancet Infectious Diseases.

A descoberta implica que “as pessoas que testaram positivo à SARS-CoV-2 devem continuar a tomar precauções, como manter uma distância física regulamentar, usar máscara e lavar as mãos”, porque é possível ser infectado de novo, explica Pandori, citado num comunicado da revista.

De acordo com a publicação médica, cinco casos de reinfecção foram confirmados até ao momento: em Hong Kong (o primeiro, anunciado a 24 de Agosto), na Bélgica, na Holanda, no Equador e no estado norte-americano de Nevada (e que é objecto deste novo estudo).

“Isso não significa que não existam mais, já que muitos casos de covid-19 são assintomáticos” e, portanto, difíceis de detectar, avisa Pandori, especialista da Universidade de Nevada.

Os cinco casos são diferentes. No caso das infecções detectadas no Nevada e do Equador, a segunda infecção foi mais grave que a primeira, ao contrário do que aconteceu com as outras três.

No caso de Nevada – um jovem de 25 anos – nenhuma desordem imunológica ou qualquer outra doença anterior foi detectada.

Em 18 de Abril, o paciente testou positivo pela primeira vez, com alguns sintomas (dor de garganta e dor de cabeça, tosse, náusea e diarreia). O jovem isolou-se em casa e a sua condição melhorou. Depois disso, o teste foi negativo duas vezes. Mas 48 dias depois, a 5 de Junho, voltou a apresentar resultado positivo, desta vez apresentando sintomas mais graves, como dificuldades respiratórias que exigiram a sua internação e a administração de oxigênio. O paciente encontra-se agora aparentemente recuperado.

Uma análise genética mostrou que as duas infecções sucessivas foram causadas por duas estirpes diferentes do coronavírus SARS-CoV-2, uma informação essencial para se ter a certeza de que se trata ou não de uma reinfecção: “São necessárias mais investigações para entender por quanto tempo dura a imunidade contra a SARS-CoV-2 e por que razão algumas das segundas infecções, embora raras, são mais graves”, afirma Pandori.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.