Tajiquistão. Presidente reeleito com 90 por cento dos votos

O presidente do Tajiquistão, Emomali Rakhmon, foi reeleito com mais de 90 por cento dos votos, de acordo com resultados preliminares anunciados esta segunda-feira. Rakhmon vai continuar no poder na antiga república soviética da Ásia Central, que lidera desde 1992.

A Comissão Eleitoral Central indicou que 90,9 por cento dos eleitores votaram em Rakhmon, razão pela qual ele deverá iniciar um novo mandato de sete anos, num país onde os opositores são excluídos do sistema político. A participação foi de 85 por cento.

Esta vitória permite a Emomali Rakhmon superar 30 anos no poder e tornar-se o chefe de Estado a ocupar por mais tempo o cargo no antigo espaço soviético, quebrando o recorde do antigo presidente do Cazaquistão Nursultan Nazarbayev.

Contra Rakhmon, quatro candidatos, considerados puramente formais, dividiram os 10 por cento dos votos restantes.

O Partido Social-democrata, único partido da oposição no país, boicotou a eleição. Antigo responsável pelas quintas colectivas do país e membro do Partido Comunista, Emomali Rakhmon, de 68 anos, assumiu o comando do Tajiquistão em 1992.

Na altura, uma guerra civil foi travada neste país montanhoso, na fronteira com o Afeganistão, entre o poder pró-comunista e rebeldes fundamentalistas muçulmanos. O conflito causou mais de 100.000 mortes entre 1992 e 1997.

Para os partidários de Rakhmon, o chefe de Estado foi o arquitecto da reconciliação do país: “A paz é a coisa mais importante. Se tivermos paz, tudo ficará bem”, disse Safar Mallaiev, de 66 anos, que votou no presidente.

Eleito chefe de Estado pela primeira vez em 1994, Rakhmon foi reeleito em 1999, 2006 e 2013. Nenhum dos actos eleitorais foi considerada livre pelos observadores da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa.

Em 2016, uma revisão constitucional permitiu ao “fundador da paz e da união nacional e líder da nação” – o título oficial de Rakhmon – concorrer um número ilimitado de mandatos.

As ONGs de defesa dos direitos humanos denunciam frequentemente o aumento das pressões contra a oposição, a imprensa e a sociedade civil neste país.

Nos últimos meses, o presidente parece ter começado a organizar a sua sucessão, colocando o seu filho mais velho, Rustam Emomali, de 32 anos, numa posição-chave.

Presidente da Câmara da capital Dushanbe, Rustam também preside ao Senado desde Abril. Em caso de incapacidade do chefe de Estado, é o presidente da Câmara Alta que assume a presidência interina.

O Tajiquistão, com mais de nove milhões de habitantes, é o país mais pobre da Ásia Central e da antiga URSS. A crise do coronavírus agravou a sua situação económica.

Centenas de milhares de tajiques trabalham na Rússia ou no Cazaquistão, principalmente na construção civil, para enviar dinheiro para as suas famílias. De acordo com o especialista Alex Koksharov os valores enviados por esses migrantes caíram “25 por cento no primeiro semestre, segundo diversos estudos”, devido às medidas de confinamento: “Muitos perderam os seus empregos na Rússia no início da crise epidémica”, explica. “E se tiverem que voltar ao Tajiquistão, isso vai levar a uma “grande instabilidade económica e política”, adverte.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.