Donald Trump diz que está imune à Covid-19

O presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, declarou neste domingo que está “imune à Covid-19”, num esforço para se mostrar forte para lutar contra o adversário democrata, Joe Biden, na recta final para as eleições de 3 de Novembro.

“Parece que estou imune, não sei, talvez por muito tempo, talvez por pouco tempo, talvez por toda a vida. Ninguém sabe realmente, mas estou imune”, disse Trump, numa entrevista por via telefónica ao canal de televisão Fox News.

“Vocês têm um presidente imune (…) Vocês têm hoje um presidente que não precisa se esconder no seu porão como o seu adversário”, acrescentou Trump, que procura a reeleição para o segundo mandato, referindo-se ao candidato democrata Joe Biden.

Apesar das declarações do presidente americano, a imunidade à Covid-19 não foi comprovada cientificamente. A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou em Agosto que, em relação ao coronavírus, “ainda não há dados suficientes para confirmar se os anti-corpos protegem, quais níveis de anticorpos são necessários ou quanto tempo a protecção vai durar”.

No final de Agosto, investigadores de Hong Kong anunciaram que tinham descoberto o primeiro caso comprovado de reinfecção de Covid-19, alguns meses depois do paciente ter recuperado.

Numa breve mensagem divulgada na noite de sábado, Sean Conley, médico do presidente norte-americano, afirmou que já não existe o risco de Trump transmitir o vírus. “Antecipo um regresso totalmente seguro do presidente aos seus compromissos públicos.”

“Alta total e completa dos médicos da Casa Branca ontem. Isto significa que não posso ter o vírus (imune) e não posso transmiti-lo. É muito bom saber disso!”, tweetou Trump neste domingo. Logo depois, o Twitter sinalizou a publicação, por violar as regras da rede social sobre a divulgação de informações enganosas e potencialmente prejudiciais em relação à Covid-19.

Trump foi tratado com Regeneron, um cocktail de anticorpos experimental que pode proporcionar imunidade por apenas alguns meses quando é administrado como tratamento, em vez de vacina: “Em alguns casos, as vacinas podem durar décadas. Mas se alguém desenvolve imunidade e a recebe na forma de imunidade natural, isso ainda não se sabe”, assinalou o CEO da Regeneron, Leonard Schleifer, à rede de TV CBS. “Se a obtém através da nossa solução, provavelmente irá durar meses.”

Semear dúvidas

Durante a entrevista ao canal Fox News, Trump,  de74 anos, insinuou que o rival democrata, três anos mais velho, poderia estar doente:”Se olhar para Joe, ele estava a tossir terrivelmente ontem (…) Não sei o que isso significa, mas a imprensa não falou muito disso”, assinalou.

A equipe de campanha de Biden publica os resultados dos testes de covid-19 que o candidato faz diariamente. Até agora, todos os testes foram negativos, uma transparência que o presidente dos Estados Unidos da América não pratica.

A equipe médica de Trump recusa-se a dizer quando é que o presidente testou negativo pela última vez, postura que alimenta as suspeitas de que ele não se submetia a um teste há vários dias antes de anunciar, em 1 de Outubro, que havia contraído o novo coronavírus.

No momento em que o número de mortos pela pandemia ultrapassa 214.000 no país, Biden está quase 10 pontos, em média, à frente de Trump nas sondagens nacionais, e também consolidou a sua vantagem nas intenções de voto nos estados decisivos para as eleições.

Perante estes números, Trump evoca, mais do que nunca, o factor surpresa de 2016, em busca de repetir a História.  Num tweet matinal, o candidato republicano citou o especialista eleitoral Nate Silver, que diz: “A vitória de Trump em 2016 foi o evento político mais impactante da minha vida”.

“Desta vez há mais ENTUSIASMO até do que em 2016”, acrescentou. “É possível ganhar em muitos estados com muito mais facilidade do que as pessoas entendem. GRANDES MULTIDÕES!”, assegurou.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.