Gavião volta a voar após transplante de penas em El Salvador

Um gavião-carijó, que há poucas semanas foi submetido a um delicado transplante de penas nas asas, voltou a voar esta sexta-feira, durante um treino numa clínica veterinária especializada, antes de ser solto numa floresta ou possivelmente numa montanha de El Salvador.

“O processo de recuperação está a avançar muito bem, a ave vai ganhando resistência, tónus muscular e esperamos libertá-la dentro de algumas semanas”, contou à AFP Josué Coto, cirurgião veterinário do Ministério do Meio Ambiente do país centro-americano.

A história do gavião remonta a Julho, quando fugiu do cativeiro ao qual era submetido por um residente de El Salvador e chegou ao quintal do vizinho, que ao ver as asas mutiladas do animal, o entregou à polícia, que o transferiu para a veterinária do MARN.

Coto chefia a equipe de veterinários que cuida do gavião-carijó (Rupornis magnirostris). A ave foi submetido em meados de Setembro ao transplante de penas nas asas.

A ave de rapina, de patas amarelas, olhos vivos e vigilantes, foi submetida há alguns dias a testes de voo no pátio de uma clínica veterinária do MARN em San Salvador.

No local, uma equipa de especialistas veterinários, chefiados por Coto, prepara cuidadosamente o gavião para o treino de voo, que dura cerca de uma hora por dia.

Enquanto agita vigorosamente  as suas asas, que têm penas novas com listas brancas e castanhas, a ave é mantida presa a uma corda com um metro de comprimento para evitar que fuja: “A atitude do gavião tem sido positiva quanto ao seu comportamento selvagem. Tenta voar e fugir e isso é exactamente o que nós queremos ver”, acrescentou Soto, que se disse satisfeito com o transplante.

A libertação do gavião dependerá de que não se canse rapidamente e consiga manter a sua resistência de voo. Se tudo correr bem, poderá ser libertado em um mês.

O transplante de penas das asas a que o gavião-carijó foi submetido foi o primeiro do tipo realizado na clínica veterinária do MARN, assegurou o cirurgião veterinário: “Estamos muito contentes com o resultado e agora, vendo o que conseguimos fazer, começamos a trabalhar para criar um banco de penas para poder fazer novos transplantes no futuro, se necessário”, afirmou Coto.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.