França com “seis meses difíceis” pela frente, admite especialista

O presidente do conselho científico instituído pelo Governo francês para lidar com a pandemia de Covid-19, Jean-François Delfraissy, admitiu que o país precisa deve preparar-se para “seis meses muito difíceis” devido à propagação do novo coronavírus.

“O conjunto da população deve entender que estamos num fenómeno de médio a longo prazo”, explicou o especialista numa entrevista à emissora de televisão francesa “BFMTV”.

Segundo Delfraissy, a expectativa é de uma crise intensa de contágios durante o período do Inverno e da Primavera.

Para o Presidente do Conselho Científico, no Verão a incidência de casos de infecção será reduzida por causas naturais e também pela possibilidade de existir vacina ou, pelo menos, tratamentos mais eficazes.

Delfraissy ainda afirmou que a percentagem da população que desenvolveu anticorpos é muito baixa, apesar dos mais de 671,6 mil casos notificados, pelo que não é aconselhável uma estratégia de imunidade de grupo.

De acordo com um estudo publicado esta sexta, apenas 4,5 por cento da população francesa tem anticorpos para o coronavírus no organismo, índice que sobe para 9 por cento na região metropolitana de Paris.

Segundo Delfraissy, para apostar na imunidade de grupo, seria necessário alcançar uma taxa de 50 a 60 por cento de infectados entre a população.

O ministro da Saúde, Olivier Véran, anunciou na quinta-feira que as cidades de Lyon, Lille, Grenoble e Saint Étienne passaram para o alerta máximo de propagação, na qual já estavam as áreas urbanas de Paris e Marselha-Aix en Provence.

Além disso, Toulouse e Montpellier estão em situação de observação devido ao aumento recente de casos, o que pode levar à mesma classificação de risco na próxima semana.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.