Covid-19. Consumidores compram mais pela Internet, mas gastam menos

A pandemia de COVID-19 levou os consumidores a adquirir bens e serviços com maior frequência através da Internet, mas a despesa total investida por essa via tem descido, segundo mostra uma sondagem publicada esta quinta-feira pela Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD).

O estudo, realizado entre consumidores do Brasil,  da China, da Alemanha, de Itália, da Coreia do Sul, da Rússia, da África do Sul, da Suíça e da Turquia, indica que 49 por cento dos interrogados reforçou a frequência com que adquire produtos através as suas compras online, enquanto 58 por cento usa mais a rede como entretenimento e 51 por cento como meio de informação.

O crescimento das compras pela Internet tem sido especialmente destacado na China, onde 78 por cento dos indagados dizem ter aumentado o seu consumo online, e também viu aumentos grandes na Turquia (65 por cento ), Coreia do Sul (58 por cento) e Brasil (55 por cento).

O aumento de compras online foi ligeiramente maior entre mulheres (51 por cento) que em homens (49 por cento), e a faixa etária onde o crescimento foi mais alto, até 57 por cento, foi a de consumidores entre os 35 e os  44 anos.

Por tipo de compra, onde o número das compras aumentou em maior medida, acima de 50 por cento, foi em cosméticos e produtos de cuidado pessoal, entretenimento digital, alimentos e bebidas, moda e acessórios, fármacos e livros, assinalou a investigação da UNCTAD.

Contudo, a despesa geral em todos os sectores parece ter descido, especialmente em compras ligadas ao turismo (reservas de hotel, viagens em avião), com uma queda de 75 por cento, enquanto a aquisição online de móveis e produtos para a casa baixou 53 por cento.

A aparente contradição entre o aumento do consumo e a queda da despesa explica-se com outra parte da sondagem, já que 62 por cento dos interrogados disse ter adiado compras online grandes.

Além disso, 60 por cento optou por viajar dentro do seu país ao invés do estrangeiro, e 40 por cento disse focar as suas aquisições em bens essenciais, tais como alimentos ou bebidas: “A COVID-19 tem acelerado a mudança para um mundo mais digital, e isto terá efeitos duradouros inclusivamente quando a economia mundial começar a recuperar”, analisou o secretário geral da UNCTAD, Mukhisa Kituyi, no comunicado que acompanhou a publicação da sondagem.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.