Argentina criticada por usar tecnologia de reconhecimento facial em adolescentes

A Human Rights Watch  exigiu na sexta-feira que a cidade de Buenos Aires interrompa o uso de tecnologia reconhecimento facial para identificar adolescentes acusados de cometer crimes.

A organização internacional não governamental Human Rights Watch (HRW), sediada em Nova York, afirmou que Buenos Aires começou a usar a tecnologia em Abril de 2019, tornando a Argentina o único país do mundo a empregá-la contra cidadãos menores de 18 anos.

Embora nenhum menor tenha sido detido ainda, o grupo diz que a metodologia está repleta de erros de identificação que podem limitar injustamente as oportunidades de emprego e  a educação para crianças acusadas erroneamente de roubo ou de outros crimes.

A HRW enviou uma carta à cidade e ao governo federal pedindo-lhes que parem de usar o reconhecimento facial em tempo real em estações de comboios para identificar suspeitos, especialmente menores, argumentando que a tecnologia costuma cometer erros na identificação de crianças.

Questionada sobre as afirmações, a autarquia de Buenos Aires informou que o sistema de reconhecimento facial foi desenvolvido de acordo com as directrizes de direitos humanos traçadas pelas Nações Unidas: “Desde Setembro de 2019, nenhum caso de mau funcionamento da tecnologia foi registado”, disse a organização num comunicado.

A Human Rights Watch citou três casos de adultos argentinos que foram detidos por engano pela polícia devido a erros do sistema.

Usar o reconhecimento facial para identificar crianças suspeitas é especialmente problemático porque a aparência dos jovens pode mudar numa questão de meses à medida que amadurecem, disse Hye Jung Han, investigadora dos direitos das criança e tecnologia da HRW: “Crianças acusadas de cometer um crime têm as suas informações pessoais publicadas online, o que é contra a lei internacional e os padrões nacionais”, declarou Han.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.