Pandemia deixou quase três milhões de imigrantes num limbo

Pelo menos 2,75 milhões de imigrantes não puderam regressar a casa nos últimos meses, devido às restrições impostas para conter a disseminação do novo coronavírus, anunciou a Organização das Nações Unidas esta sexta-feira. A ONU pediu urgentemente mais cooperação internacional para encontrar soluções para a crise.

“A instauração de dezenas de milhares de medidas de restrição de movimento, incluindo o encerramento de fronteiras e o confinamento, devido à Covid-19, exige que os Estados colaborem com os seus vizinhos e com os países de origem dos imigrantes para responder às suas necessidades e fragilidade”, ressaltou o director-geral da Organização Internacional para as Migrações (OIM), o português António Vitorino, na apresentação de um relatório sobre o tema.

Em função das necessidades da investigação, a OIM define imigrantes, nesse caso particular, como as pessoas que não conseguem voltar para o país onde normalmente residem.

O balanço abrange dados até 13 de Julho e tem por base informações recolhidas em 101 países. A organização observa que o número “subestima muito o total de imigrantes realmente bloqueados ou afectados pela Covid-19”.

Vitorino disse estar convencido de que “os migrantes podem ser mandados para casa com segurança e dignidade, apesar das limitações impostas pela Covid-19”: “Onde os governos agiram, dezenas de milhares de deslocados puderam voltar para casa, levando-se em consideração os desafios de saúde colocados pela pandemia”, disse ele. “Corredores foram reabertos para os trabalhadores, para estimular economias tanto dos países de partida quanto de chegada e, desta forma, amenizar o impacto económico da pandemia”, alegou o director da OIM, acrescentando que essas práticas devem ser ampliadas.

A contagem da organização inclui trabalhadores sazonais, residentes temporários, estudantes internacionais e migrantes que, por exemplo, se desloquem para receber atendimento médico.

O Médio Oriente e o Norte da África são as áreas com maior número de casos, com 1,26 milhão de pessoas; seguidas da Ásia-Pacífico (977.000), da Europa (203.000) e  das Américas do Norte, Central e Caribe (111.000).

A OIM indicou que recebeu pedidos de assistência de 115.000 migrantes bloqueados que desejavam voltar para casa voluntariamente. Nos últimos meses, conseguiu ajudar apenas 15.000 deles, os mais vulneráveis.

Bloqueados, os imigrantes estão expostos a todo o tipo de perigo, de saúde e de segurança, alertou a organização.

A OIM também chamou a atenção para a situação enfrentada por quase 400.000 marinheiros que se encontram bloqueados no mar, alguns há pelo menos 17 meses.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.