Covid-19. Pandemia fez disparar trabalho infantil na Índia

Com as mãos cheias de poeira e manchadas de tinta, Aakash parece estar perfeitamente à vontade numa pouca higiénica garagem de Nova Deli. O menino é um entre milhões de crianças forçadas a trabalhar na Índia.

Mais de 10 milhões de crianças com idades compreendidas entre os cinco e os 14 anos trabalham na Índia, no campo ou em unidades fabris, a limpar mesas dos restaurantes ou a engraxar sapatos. A situação agravou-se com o coronavírus, que devastou a economia e encerrou escolas e estabelecimentos de ensino durante vários meses.

A Agência France Press acompanhou a organização indiana Bachpan Bachao Andolan (BBA), fundada pelo prémio Nobel da Paz 2014 Kailash Satyarthi para combater o trabalho infantil, junto com a polícia de Nova Deli.

Syed Arshad Mehdi, militante da organização há 20 anos, entrou na manhã desta terça-feira na garagem para tirar Aakash – nome fictício – do estabelecimento onde se encontrava a ser explorado.

No início, o adolescente negou que trabalhava no estabelecimento. Mas Mehdi pegou nas mãos do menino  para as exibir aos jornalistas e disse: “Olha, estão cheias de tinta e de poeira”.

Além de Aakash, foram encontrados outros 11 meninos, todos supostamente com menos de 18 anos, que trabalham 16 horas  por dia por um salário miserável.

Os adolescentes foram levados para o gabinete do Procurador do Ministério Público, onde receberam um pedaço de papel escrito à mão com números de um a doze. As máscaras usadas como prevenção contra o vírus escondiam a apreensão que lhes iluminava o rosto.

Os jovens foram convidados a identificar-se e a revelar a idade, a proveniência e o estado de origem, quantas horas trabalham e quanto recebem.

Após fazerem exames médicos, de se submeterem a um teste de coronavírus e receberem apoio para exigir o restante do seu salário, serão enviados de regresso para as suas famílias.

A lei proíbe o trabalho de menores de 14 anos e os jovens com idades compreendidas entre 14 e os 18 anos não podem trabalhar em actividades perigosas, o que inclui certos empregos dentro de restaurantes.

A BBA localizou 1.200 crianças desde Abril, mas o número está a aumentar cada vez mais desde o início da pandemia, explicou à AFP Dhananjay Tingal, director executivo da organização: “As condições são muito más nas aldeias”, disse o responsável. “As famílias precisam do máximo de mãos disponíveis para ganhar dinheiro”, lamentou.

Para ele, “se não forem tomadas medidas correctivas em termos imediatos, a situação só vai piorar”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.