Caso IPIM. Jackson Chang conhece amanhã a sentença

O antigo presidente do Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau, Jackson Chang, conhece esta sexta-feira o alcance da pena a que vai ser sentenciado. Chang este indiciado judicialmente pelo envolvimento num esquema ilícito de obtenção de residência.


O antigo líder do IPIM responde por quatro acusações de corrupção passiva para acto ilícito, seis  crimes de branqueamento de capitais, três de abuso de poder três de inexactidão na declaração de rendimentos e ainda de associação criminosa e violação de segredo.

“Fizemos o nosso trabalho e estamos confiantes na justiça”, adiantou a equipa de defesa de Jackson Chang. O antigo responsável pelo Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau encontra-se em prisão preventiva desde Julho do ano passado.

O Ministério Público considera que Chang, nascido em Madagáscar, prestou apoio ilegal a pedidos de imigração e promoveu a aprovação desses mesmo pedidos. O esquema envolvia supostamente um casal de empresários de Macau que criava empresas, projectos de investimento fictícios e informações falsas relativas à experiência profissional dos cidadãos da República Popular da China que requeriam residência no território. As narrativas eram redigidas para que os pedidos de imigração para investimentos relevantes fossem aprovados. Os mesmos arguidos adaptaram a mesma estratégia para formular, com falso pressupostos, pedidos de residência para técnicos especializados.

No total, o processo envolve 26 arguidos, entre os quais a mulher e a filha de Jackson Chang e a macaense Glória Batalha, antiga vogal executiva do IPIM que ocupou, por um breve período de tempo, o estatuto de secretária-geral adjunta do Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Envolvido no alegado esquema estaria também o antigo director adjunto do Gabinete Jurídico e de Fixação de Residência do IPIM.

Glória Batalha responde perante a justiça por dois crimes de violação de segredo e dois de abuso de poder. Fonte da defesa apontou, no entanto à agência Lusa, estar convencido de que a antiga vogal do IPIM será absolvida.

Entre os arguidos estão ainda empresários e alguns dos alegados beneficiários da atribuição indevida de autorização de residência.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.