O mês passado foi o Setembro mais quente da história

O mês passado foi o mês de Setembro mais quente já registado no mundo, anunciou nesta quarta-feira o serviço especializado nas mudanças climáticas do programa europeu Copernicus. O organismo indicou que 2020 pode ser o ano mais quente da história, superando o ano de 2016.

O período de 12 meses compreendido entre Outubro de 2019 e Setembro de 2020 tem registado 1,28°C acima da média das temperaturas da era pré-industrial.

Tendo em consideração que os últimos cinco anos foram os mais quentes da história, o dado aproxima o planeta do limite de 1,5°C, a meta do Acordo de Paris.

O pacto – assinado em 2015 e em que quase 200 Estados se comprometeram a reduzir as suas emissões de gases do efeito estufa – pretende manter o aquecimento global abaixo de 1,5ºC, no máximo 2°C, para limitar o impacto das tempestades, secas e outros fenómenos extremos cada vez mais devastadores.

A temperatura do planeta já aumentou mais de 1°C e avança em média 0,2°C por década desde o fim dos anos 1970, destaca o programa Copernicus no seu balanço climático mensal.

E 2020 não vai aparentemente alterar a tendência. Este ano  foram registados os meses de Janeiro, Maio e Junho mais quentes da história: “A nível mundial, Setembro de 2020 ficou 0,05°C acima de Setembro de 2019, o mês mais quente registado até agora”, indica o organismo europeu. Isto significa 0,63°C acima da média registada no período 1981-2020.

As temperaturas foram especialmente elevadas na Sibéria, seguindo a tendência de uma onda de calor que começou na Primavera e que favoreceu uma série de grandes incêndios.

O Ártico a fervilhar

O calor também ficou acima do normal no Oceano Ártico, destaca o programa, ao recordar que este ano a camada de gelo no Ártico terminou o Verão com a segunda menor área da história, depois da registada em 2012.

“A combinação em 2020 de temperaturas recorde e de uma camada de gelo a um nível reduzido evidencia a importância de melhorar o controlo numa região com aumento da temperatura mais rápido que o resto do mundo”, defendeu Carlo Buontempo, director do programa europeu sobre mudança climática.

Mas o Grande Norte não foi a única zona afectada. A América do Norte teve um mês de Setembro muito quente, sobretudo com os 49°C registados no início do mês no condado de Los Angeles, numa Califórnia assolada por incêndios.

Além do mês de Setembro, os dados dos satélites europeus mostram que o período que vai de Janeiro a Setembro de 2020 é mais quente que o mesmo período de 2019, segundo ano com as temperaturas mais elevadas.

A análise compara os nove meses de 2020 e de 2016, o ano mais quente da história, e revela anomalias “bastante parecidas”, segundo o Copernicus. Mas fenómenos climáticos como o desenvolvimento actual de La Niña, que tende a reduzir a temperatura mundial, “influenciarão sobre a probabilidade de 2020 se tornar o ano mais quente da história”: “Restam três meses, durante os quais tudo pode acontecer”, declarou à AFP Freja Vamborg, cientista do Copernicus, antes de recordar que a agência “não faz previsões sobre as temperaturas mundiais”.

A base de dados de satélite do Copernicus para a observação das temperaturas começa em 1979, mas os dados convencionais terrestres e as informações de outras agências não mostram nenhum ano com temperaturas maiores antes de 1979, desde a era pré-industrial.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.