Rússia. Greenpeace teme desastre ambiental na Kamchatka

Nos últimos dias, a morte por causas desconhecidas de focas, polvos, ouriços do mar e outros animais causaram receio de que o Extremo Oriente russo tenha sido palco de um “desastre ecológico”. Os animais foram detectados na costa da remota península russa de Kamchatka.

“Ocorreu um desastre ecológico em Kamchatka”, na região da praia de Jalatyr – um local turístico conhecido especialmente pelos surfistas – e da baía de Avacha, no oceano Pacífico, disse a organização não-governmental Greenpeace.

As análises detectaram na água “quatro vezes mais derivados de petróleo e 2,5 vezes mais de fenol”, acrescentou o Greenpeace. A organização explicou ainda que as causas da contaminação ainda não foram apuradas.

A Greenpeace afirmou ter entrado em contacto com as autoridades para “pedir uma investigação imediata das causas da contaminação, uma avaliação do alcance do problema e a eliminação urgente das consequências” do incidente.

As autoridades locais não se pronunciaram recentemente, sobre qualquer acidente industrial ou acontecimento incomum na extensa região.

Origem natural ou fuga de combustível?

No fim de semana, o governador de Kamchatka, Vladimir Solodov, visitou a região e ameaçou demitir os que ocultaram a gravidade da situação, além de prometer divulgar uma análise, feita com amostras que foram enviadas para Moscovo.

No sábado, o Comité de Investigação russo prometeu que vai conduzir uma investigação sobre este “possível desastre ecológico”.

O ministro russo do Meio Ambiente, Dmitri Kobilkin, disse na segunda-feira numa entrevista ao canal estatal Rossiya 24, que não foram encontrados níveis excessivos de óleo ou de produtos químicos nas amostras analisadas até agora.

Kobilkin defendeu a possibilidade de se tratar de um fenómeno “de origem natural”: “Depois das tempestades, há um aumento da toxicidade dos microrganismos daquela área, o que provoca alterações (no conteúdo) de oxigénio”, causando esse tipo de fenómeno. O governante sustenta que episódios semelhantes  são muito comuns nas ilhas japonesas do região.

Especialistas citados pelo jornal Novaia Gazeta e pela agência de imprensa RIA Novosti referem, no entanto, a hipótese de um derrame do combustível que é utilizado nos foguetões e que é extremamente tóxico, o heptil, que viria de uma das muitas instalações militares existentes na região de Kamchatka.

O território russo, povoado por inúmeras instalações ainda da era soviética,  sofre frequentemente desastres ecológicos industriais. No final de Maio, por exemplo, ocorreu o derrame de 21.000 toneladas de combustível que contaminou os cursos d’água do Árctico após o colapso de um depósito de uma termoeléctrica do grupo Norilsk Nickel.

A Kamchatka é uma das regiões mais remotas da Rússia. Até o fim da União Soviética, o local esteve praticamente vedado a civis, pois hospedava inúmeras instalações militares.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.