Nobel da Física para investigadores que mapearam os buracos negros

O britânico Roger Penrose, o alemão Reinhard Genzel e a norte-americana Andrea Ghez ganharam o Prémio Nobel da Física 2020 pelas suas descobertas sobre os buracos negros e a sua relação com a teoria da relatividade, e por terem encontrado o que será um deles no centro da Via Láctea, anunciou a Academia Real das Ciências Sueca em Estocolmo.

Penrose vai receber o prémio pela “descoberta de que a formação de buracos negros é uma previsão robusta da Teoria Geral da Relatividade”, formulada por Albert Einstein há mais de cem anos.

Genzel e Ghez, por sua vez, são homenageados pela “descoberta de um objecto compacto supermassivo no centro da nossa galáxia”. Este é um prémio partilhado pela descoberta de “um dos fenómenos mais exóticos do universo, os buracos negros”, disse a Academia.

Penrose nasceu em 1931 no Reino Unido e é professor na Universidade de Oxford; Genzel nasceu na Alemanha em 1952, dirigiu o Instituto Max Planck de Física Extraterrestre e exerce na Universidade da Califórnia; Ghez nasceu em 1965 em Nova Iorque e exerce em Los Angeles. É a quarta mulher a ganhar um Prémio Nobel da Física.

Segundo a Academia Nobel, Penrose inventou engenhosos métodos matemáticos para explorar a Teoria Geral da Relatividade e demonstrou que esta leva à formação de buracos negros, esses monstros no tempo e no espaço que capturam tudo o que neles entra.

Embora Einstein tenha formulado a teoria que prevê a existência de buracos negros, nunca chegou a compreendê-los ou a aceita-los.

Genzel e Ghez partilham o prémio por terem descoberto que um objecto invisível e extremamente pesado governa as órbitas das estrelas no centro da nossa galáxia, e um buraco negro supermassivo é a única explicação conhecida atualmente.

Durante a conferência de imprensa realizada em Estocolmo para o anúncio do prémio, Ghez falou em directo por telefone.

A cientista explicou que quando descobriram este objecto massivo no centro da Via Láctea, a primeira coisa que sentiu “foi dúvida” porque “tem de provar que o está a ver é realmente o que está a ver”, mas também “emoção, uma combinação de ambas as coisas”.

A académica destacou a importância do conhecimento dos buracos negros, que “são blocos fundamentais de construção do universo” e, à pergunta de jornalistas, salientou que ainda não se sabe o que está dentro deles.

O anúncio do prémio de Física segue o de Medicina, revelado esta segunda-feira, que foi para os virólogos americanos Harvey J. Alter e Charles M. Rice e o britânico Michael Houghton pela descoberta do vírus da hepatite C.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.