Nova Caledónia rejeita independência e vai continuar a ser parte de França

O “Não” à independência venceu na Nova Caledónia, território francês na bacia do Pacífico, com 53,26 por cento dos votos, anunciou no domingo a Alta Comissão que organizou o segundo referendo popular sobre a independência da ilha. Num primeiro referendo, celebrado a 4 de Novembro de 2018, o “Não” venceu com 56,7 por cento dos votos, contra 43,3 por cento do “Sim”.

A taxa de participação neste domingo foi de 85,85 por cento, seis pontos a mais do que na consulta anterior, sobre um total de 180.859 pessoas registadas para votar.

Com a vitória do “Não”, um terceiro referendo deve ser organizado em 2022.

“Os eleitores maioritariamente confirmaram o desejo de manter a Nova Caledónia na França. Como chefe de Estado, recebo este sinal de confiança com um profundo sentimento de reconhecimento. Também recebo os resultados com humildade”, disse o presidente Emmanuel Macron.

“Não estou satisfeito com a tendência que tivemos esta noite, que volta a destacar a profunda divisão que existe na sociedade caledoniana a respeito da questão essencial da independência”, afirmou o presidente do governo local, Thierry Santa (direita, leal à metrópole).

Pascal Sawa, presidente da Câmara de Houaïlou e membro da União Caledoniana (FLNKS), ficou satisfeito com a elevada taxa de participação: “Se não aconteceu hoje, será no terceiro referendo. Respeitamos o resultado desta noite”, afirmou o responsável político, partidário da independência do arquipélago.

Rica em níquel, a Nova Caledónia, que fica situada a 18.000 quilómetros de Paris, é um território francês desde 1853 e representa um dos últimos redutos de soberania europeia na região.

O historiador Paul Fizin defende que uma maior mobilização do eleitorado poderia beneficiar os dois lados. Em 2018, alguns cidadãos pró-França, convencidos que estavam da vitória, como indicavam as sondagens, não compareceram às urnas. Nas Ilhas Lealdade, reduto da comunidade autóctone dos kanaks, muitas pessoas não votaram depois de um apelo de não participação feito pelo Partido Trabalhista.

Neste domingo foram registadas longas filas em várias zonas eleitorais de Noumea.

A situação foi registada  num centro de votação do bairro kanak de Montravel, a norte de Noumea:  “Cheguei às 8H30, já são 11H00 e ainda não entramos. Mas pela dignidade do país, nós esperamos”, declarou Chanié, natural de Lifou.

“Eu voto sim porque quero que nossos filhos governem o país, não a França”, afirmou à AFP.

Daniela, que também esperou numa longa fila para votar no bairro multiétnico de Vallée des Colons, afirmou que votaria “Não”: “A França sempre esteve aqui por nós e vai continuar”.

O referendo, assim como o primeiro, é parte de um processo de descolonização iniciado em 1988, após vários anos de violência entre os kanaks, povo autóctone, e os caldoches, de origem europeia.

Os confrontos terminaram com um sequestro de reféns e um ataque à gruta de Uvea em Maio de 1988 que deixou 25 mortos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.