Egipto exibe 59 sarcófagos com mais de 2500 anos

Uma equipa de arqueólogos anunciou no sábado ter descoberto no Egipto 59 caixões de madeira bem preservados e selados que foram enterrados há mais de 2.500 anos. Ao abrir um dos sarcófagos ricamente decorados perante a imprensa, a equipe revelou restos mumificados envoltos em tecidos fúnebres, contendo inscrições e hieróglifos em cores brilhantes.

A descoberta ocorreu em Saqqara, necrópole da antiga capital egípcia de Mênfis, local que é Património Histórico da UNESCO, situado no sul do Cairo: “Estamos muito felizes com esta descoberta”, disse Mostafa Waziri, secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades.

Desde que a descoberta dos primeiros 13 caixões foi anunciada, há quase três semanas atrás, outros foram encontrados em poços com até 12 metros de profundidade.

Um número desconhecido de caixões adicionais ainda pode estar sepultado no local, disse o ministro do Turismo e Antiguidades, Khaled al-Anani, perto da pirâmide de Djoser, uma estrutura com 4.700 anos.

“Hoje não estamos perante o fim da descoberta. Considero, isso sim, o início de uma grande descoberta”, afirmou.

Os caixões, selados há mais de 2.500 anos, datam do Período Tardio do Antigo Egipto, por volta dos séculos VI ou VII a.C., acrescentou o ministro.

Em escavações realizadas nos últimos anos em Saqqara têm sido encontradas colecções de artefactos, assim como múmias de cobras, aves, escaravelhos e outros animais.

Uma grande descoberta

A descoberta dos caixões é o primeiro grande anúncio  arqueológico feito no Egipto desde o início da epidemia de Covid-19. A doença levou ao encerramento de museus e sítios arqueológicos durante cerca de três meses a partir do fim de Março.

Dezenas de estátuas também foram encontradas na área, inclusive uma estatueta em bronze representando Nefertem, deus antigo da flor de lótus.

Estudos preliminares indicaram que os sarcófagos provavelmente pertenceram a sacerdotes, a um alto dirigente e a figuras proeminentes da antiga sociedade egípcia da 26ª dinastia, afirmou Anani.

Todos os caixões, acrescentou, serão levados para o Grande Museu Egípcio, no planalto de Gizé, que será inaugurado brevemente.

Os artefactos serão dispostos do outro lado de um salão que contém outros 32 sarcófagos selados de sacerdotes da 22ª dinastia, que foram encontrados no ano passado na cidade de Luxor, no sul do Egipto.

A abertura do Grande Museu Egípcio, que foi adiada várias vezes, está prevista para 2021.

O museu abrigará milhares de artefactos de diferentes eras da história egípcia, da época pré-dinástica ao período greco-romano.

O Egipto espera que a série de descobertas arqueológicas feitas nos últimos anos e o Grande Museu Egípcio impulsionem seu vital sector turístico, que sofreu múltiplos abalos desde os levantamentos populares da Primavera Árabe, em 2011, e mais recentemente com a pandemia de Covid-19.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.